Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP









Durante muitos anos, essa árvore (também chamada de guaracuí) foi considerada o símbolo da Colônia Japonesa de Registro (SP), como podemos comprovar pela leitura de um livro publicado em 1933 para comemorar os 20 anos da chegada dos primeiros imigrantes japoneses ao Vale do Ribeira.

O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP
O gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP.


Segundo informações de antigos moradores da cidade, o gracuí ficava, aproximadamente, no local onde hoje funcionam as Lojas Cem, na Av. Pref. Jonas Banks Leite, 685. Era uma árvore que chamava a atenção de todos por sua altura e beleza. A rua ainda era de terra e mais parecia com um caminho de roça, cercado por vegetação de ambos os lados.

Há algumas décadas, o gracuí, que também se tornou a árvore-símbolo da cidade de Registro (considerada “Marco da Colonização Japonesa no Brasil” pelo Decreto Estadual nº 50.652, de 30 de março de 2006), “caiu aos golpes do machado bronco", emprestando o verso de Augusto dos Anjos (1884-1914), em seu poema “A árvore da serra”.

Em homenagem ao gracuí (ou guaracuí), o inspirado poeta valerribeirense Lauriano dos Santos publicou, em seu livro "O Gracuí e o Poeta" (2007), este belo soneto:

“O Gracuí”

Árvore secular, marcando a história
dos que aqui viveram a construir
um povo varonil - e cuja glória
consagra as gerações e o porvir.

Foi pena que alguém imprevidente,
ou quiçá, por ignóbil ingenuidade,
querendo o seu espaço, inclemente,
sangrou-te o caule tão sem piedade.

Feriu-te as veias, sim, porque tens vida!
Pondo-te ao chão, trépido e indefeso
a por o fim em marco irreverente.

Como os gigantes tombam sem guarida
ao amargar da sorte o seu desprezo,
deixaste a tua marca tão somente.


ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br


(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).












Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial