Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

Conversando sobre o Bacharel de Cananeia








Tive a grata satisfação de participar do 3º Festival Literário de Iguape, realizado de 6 a 9 de maio de 2015, num bate-papo com o jornalista Eduardo Bueno sobre o misterioso Bacharel de Cananeia. Seleto público prestigiou a conversa, que foi mediada pelo escritor Reynaldo Damazio.

Conversando sobre o Bacharel de Cananeia
 Cananeia (crédito: Márcio Masulino)


Sobre o Bacharel de Cananeia já se escreveram muitas bobagens. Inúmeras “histórias” sobre ele, de tanto repetidas, acabaram se tornando “verdades”, e consideradas como tais até por pesquisadores conceituados.

À pergunta do mediador “quem foi o Bacharel de Cananeia”, respondi com um convicto “não sei!”. Frisei que apenas podemos afirmar sobre o Bacharel duas coisas: que foi bacharel e que viveu em Cananeia. O resto são suposições.

Teria sido padre, judeu, físico, maçon, falastrão, herege e outras coisas mais? Sim, tudo isso é possível, mas para afirmarmos isto ou aquilo precisaríamos de documentos históricos que até hoje ainda não foram localizados.

O Bacharel só aparece na história 27 anos após o descobrimento do Brasil. Durante um quarto de século ficou completamente incógnito. Foi somente em 1527 que o navegante Diogo Garcia de Moguer escreveu em sua memória de navegação que teria feito transações comerciais com o Bacharel, comprando mantimentos, um bergantim e nada menos do que 800 escravos indígenas.

Depois só vamos encontrar uma citação sobre o Bacharel em 1531, quando a esquadra de Martim Afonso de Souza aportou em Cananeia, e o Bacharel se apresentou com Francisco de Chaves e mais cinco ou seis castelhanos.

Cinco anos mais tarde, em 1536, a rainha da Espanha escreveu ao Bacharel pedindo o seu auxílio a uma expedição que viria ao Brasil, a ser comandada por Gregório Pesquera Rosa, expedição que nunca se realizou, mas cujo pedido real demonstra a importância do Bacharel.

Um documento espanhol anônimo de 1540 menciona que o Bacharel viveu em Cananeia e ali deixou muitas plantações. Podemos supor que o Bacharel, nessa época, já estivesse morto ou, talvez, teria se retirado para outro local, presumivelmente Iguape.

Finalmente, uma carta de confirmação de sesmaria, passada em São Vicente no ano de 1542 deixa claro que o local conhecido como Porto das Naus fora dado alguns anos antes a “um Mestre Cosme Bacharel”.

A partir deste último documento, cessaram as citações documentais sobre esse enigmático personagem da história brasileira.

ROBERTO FORTES


ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br


(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).












Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial