Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

A vila do Ariri






Descontentes com a anexação da Vila de Ararapira ao Estado do Paraná, em 1920, a maior parte dos ararapirenses atravessou o Canal do Varadouro e se estabeleceu em território paulista, mais exatamente em terras do município de Cananeia. (Atualmente, a Vila de Ararapira está localizada no município de Guaraqueçaba, Litoral Norte do Paraná).

Vila do Ariri.
Vila do Ariri.


Já no dia 12 de julho desse ano – escreve o historiador cananeense Antônio Paulino de Almeida (em “Ariry – histórico de sua fundação”) –, chegavam à cidade de Cananeia “diversos araripirenses, levando a notícia da resolução tomada por muitos deles e solicitando o amparo dos poderes municipais, para designar-lhes um novo local onde pudessem construir suas casas”. Tinha início aí a futura Vila do Ariri.

Visita do presidente do Estado, Washington Luiz, ao Ariri, em 1921. Foto: Revista “A Vida Moderna”, nº 41, de 29-9-1921)
Visita do presidente do Estado, Washington Luiz, ao Ariri, em 1921. Foto: Revista “A Vida Moderna”, nº 41, de 29-9-1921)


Foi o próprio Antônio Paulino de Almeida que acompanhou os retirantes ararapirenses à presença do presidente da Câmara, Ernesto Martins Simões, que prontamente telegrafou ao coronel Juvenal Fraga, chefe político de Cananeia, que se encontrava em São Paulo, para “entender-se pessoalmente com o Sr. Dr. Washington Luiz [presidente do Estado], enquanto que, de nossa parte, levaríamos o fato ao conhecimento da imprensa paulistana”.

Os reclamos dos ararapirenses não foram em vão. Logo o Governo do Estado apresentou ao Congresso do Estado projeto de lei que autorizava o Governo “a prestar o auxílio necessário”. Pelo Projeto de Lei nº 40, de 25 de outubro de 1920, o Distrito de Paz de Ararapira passava a denominar-se Ariri e teria por sede a povoação deste nome. Pela emenda do dia 29 de outubro, ficava o Governo autorizado a mandar construir na sede do Distrito de Paz de Ariri “um posto policial e um prédio para escola, abrindo para esse fim o crédito necessário”. Enquanto o projeto era apreciado no Congresso do Estado, a Câmara de Cananeia tomava providências quanto à aquisição da área onde seria construída a futura Vila do Ariri.

Uma comissão, tendo à frente Antônio Paulino de Almeida – e composta pelo capitão Ernesto Martins Simões, presidente da Câmara; pelos vereadores João Cypriano dos Santos e Frederico Trudes da Veiga; Paulo Porfírio Paiva, vice-prefeito; e Antônio Benedicto de Paiva, oficial do Cartório de Registro Civil local –, foi encarregada para esse fim.

Essa comissão partiu de Cananeia no dia 12 de novembro de 1920, às 11h15, a bordo do vapor “João Martins”, da Companhia de Navegação Fluvial Sul Paulista, com destino à Vila de Ararapira, ali chegando às 16h. No Porto de Ararapira, Samuel Marques, comerciante do Rio de Janeiro, que atravessara o Istmo do Varadouro no dia anterior, incorporou-se à caravana. Partiram, então, em demanda do Morro das Pedras, “lugar pitoresco e amplo”.

Escreveu Paulino de Almeida: “Num rápido olhar reconhecíamos as vantagens desse ponto sobre os demais, e, tomando as canoas que havíamos conduzido de Ararapira, desembarcamos. Recebidos pelo proprietário das terras, passamos a examinar detalhadamente a topografia local, facilidades para uma estrada de penetração, de águas, altitude e tudo mais que nos pareceu necessário”.

Sendo aprovado o local, o prefeito foi autorizado a adquirir uma parte da referida propriedade. Quanto ao Projeto de Lei nº 40, foi aprovado e transformado na Lei nº 1.757, promulgada em 27 de dezembro de 1920.

“Estava, pois – escreve Paulino de Almeida –, transferida a sede do Distrito de Paz de Ararapira, para a margem oposta do rio do mesmo nome, em território paulista, sob a denominação de – ARIRY – denominação essa proposta pela Comissão de Estatística”.

Entrada da Vila do Ariri: Foto: André Pimentel.
Entrada da Vila do Ariri: Foto: André Pimentel.


Curiosamente, a nova Vila do Ariri quase não se chamou “Orizópolis”, sugestão do próprio Paulino de Almeida, em homenagem ao seu principal produto agrícola, o arroz, mas essa sugestão não foi aceita pela Comissão de Estatística da Câmara Municipal.

No ano seguinte, em 19 de setembro de 1921, a Vila do Ariri receberia a honrosa visita do presidente do Estado de São Paulo, Dr. Washington Luiz Pereira de Souza. O presidente tratou os ararapirenses com tanto carinho e atenção, que surgiu a ideia de chamarem a vila de “Nova Washington”, em homenagem “ao seu benemérito fundador, com o que entretanto, não quis s. exa. concordar, declinando, num requinte de delicadeza, da homenagem que não somente a Câmara, porém toda a população cananeense desejava prestar-lhe”.

Nesse mesmo dia, Washington Luiz assinava a ata de criação da Villa de Ariry, documento também assinado, por Heitor Penteado, secretário da Agricultura; Américo de Campos, deputado; Juvenal Fraga, presidente da Câmara de Cananeia; Ernesto Martins Simões, prefeito; Cícero Marques, do “Jornal do Commercio”; Paulo Duarte, de “O Estado de S. Paulo”; João de Sá Rocha, do “Correio Paulistano”; Antônio Paulino de Almeida, promotor público de Cananeia; Vicente de Carvalho, jurista e poeta, presidente da Companhia Fluvial; João Anastácio Xavier, sub-delegado de Ararapira; Augusto Marinangeli, vice-presidente da Companhia Fluvial; Augusto Mesquita de Carvalho (Tareco), filho de Vicente de Carvalho e gerente da Companhia Fluvial; entre outros.

A área destinada à Vila do Ariri, composta por várias glebas, foi adquirida de Evaristo Francisco Xavier e sua mulher; Antônia Lourença Alves e Hypolita Maria do Espírito Santo. As escrituras de compra e venda foram lavradas no dia 4 de março de 1921. Já no dia 23 de março de 1922, essa área era aumentada com a aquisição de outra parte, adquirida de Júlio Alves Dias e sua mulher Anna Felipe Dias. A inauguração dos prédios destinados ao Posto Policial e escolas deu-se no dia 24 de abril de 1925.

Eis as origens da Vila do Ariri, hoje um dos mais procurados pólos turísticos da região do Vale do Ribeira e Baixada Santista.

ROBERTO FORTES


ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br



(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).


Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial