Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

A MALDIÇÃO DO PADRE CAETANO







O padre Caetano Francisco de Assis foi pároco de Cananeia lá pelos idos de 1831. Conta o historiador Antônio Paulino de Almeida (1882-1969) que muitas histórias e lendas foram criadas para explicar ou justificar o processo de decadência da vila, que chegou a possuir diversos estaleiros de construção naval nos séculos XVIII e XIX.

A “MALDIÇÃO” DO PADRE CAETANO
A “MALDIÇÃO” DO PADRE CAETANO

Dentre as histórias mais interessantes destaca-se a que envolveu o padre Caetano. Vamos à História (com “H” maiúsculo, pois foi registrada como tal nos anais da então “Villa de São João Batista de Cananeia”).

O padre Caetano estava para celebrar o casamento do liberto Leonel Borges. Acontece que o ex-escravo apareceu na igreja de São João Batista totalmente embriagado. O padre Caetano, naturalmente, ficou indignado e se recusou a oficiar a cerimônia.

Só que, nesse tempo, existia na vila um valentão, que era o alferes Antônio José de Souza. Todo cheio de direito, com um chicote na mão e acompanhado por três soldados milicianos, o alferes invadiu a igreja no exato momento que o padre Caetano estava celebrando a missa.

O padre Caetano, com a sua costumeira calma, interrompeu a missa. E tomando de um círio aceso, voltou-o para o chão e elevou o olhar, enquanto a chama da vela lentamente se extinguia. Excomungava, assim, os protagonistas de tamanho desrespeito, pois tinham invadido a casa de Deus e interrompido um ofício sagrado. Os autores da invasão assistiam petrificados ao ato.

Como os envolvidos eram “pessoas de responsabilidade”, a Câmara de Cananeia achou por bem interferir no caso. Assim, reunidos em sessão do dia 10 de janeiro de 1831, decidiram fazer um apelo ao padre Caetano nos seguintes termos:

“Finalmente, esta Câmara espera que o reverendo vigário a coadjuve com a influência da sua moral, na paz, na boa serenidade com que ela deseja ir de acordo, para por termo no esquecimento às ofensas, virtude esta necessária à humanidade.”

Mas o padre Caetano não era um religioso de aceitar desmandos e ficar quieto. Infonformado com a atitude acintosa e desrespeitosa do alferes, o sacerdote percebeu que a Câmara, na verdade, queria era por “panos quentes” na história. Dessa maneira, respondeu aos vereadores, baseando-se em personagens bíblicos:

“Assuero [Xerxes I, rei da Pérsia] perdoa a morte a toda a Nação, porque sua esposa Esther roga; Davi modera a justa vingança contra Nabal e sua família, porque Abigail suplica; Deus mesmo suspende os raios de sua Justiça contra um povo ingrato, porque o pacífico Moisés intercede. Não me esquecerei de avisar aquele exemplo dos israelitas, quando não o queiram obedecer, em recompensa do que Ele lhes assinalava um mau pastor.”

Concluindo, finalmente, o padre Caetano a sua resposta à Camara:

“Muitos e muitos exemplos eu devera agora relatar, porém, para não ser enfadonho, concluo dizendo que a Lei Divina não existe só para perdoar, porque então ela seria inútil.”

Como é sabido, apesar da determinação do sacerdote, a corda sempre arrebenta para o lado mais fraco. Daí que, alguns dias depois, o bom e correto padre Caetano Francisco de Assis partiu da Vila de Cananeia e nunca mais voltou.

Para o pacato povo cananeense, enquanto viveu o alferes valentão, ficou no imaginário coletivo a lembrança desse fato curioso, que afastou para sempre da vila o padre Caetano, o que, segundo alguns, teria dado origem a uma “maldição” que o sacerdote lançara à vila.

Essa “maldição” fica aqui registrada como mais um capítulo da rica imaginação do povo da “Cidade Ilustre do Brasil”.


ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br






(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).

(Fotos: Cortesia Família Yanaguizawa, de Iguape)


Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial