Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

Tardes ensolaradas na Jureia






Sentado folgadamente em minha espreguiçadeira, estrategicamente colocada no barranco que domina a praia, deixo-me ficar olhando, distante e reflexivo, para o mar da Jureia, que já começa a encher, e tenta, sem muito êxito, ganhar as dunas do jundu onde, livro à mão, me encontro a cismar.

Tardes ensolaradas na Jureia
Praia da Jureia, na altura da Vila do Prelado, Iguape (SP).

Percebo, que o mar hoje está um pouco escuro, bem diferente do azul cintilante da outra vez em que me pus a admirá-lo. Creio que as fortes chuvas que caíram há pouco – intensas, mas não o suficiente para aplacar o reinado do calor soberano – tenham contribuído com sua parte para torná-lo dessa coloração. Claro ou escuro, a verdade é que o mar sempre conserva seu fascínio e sutileza que, ainda recostado em minha espreguiçadeira a desfrutar estes merecidos momentos de descanso, tanto me encantam ao contemplá-lo.

A brisa do leste me espalha os cabelos e me enche o corpo todo de minúsculos grãos de areia: é presença constante neste belo cenário emoldurado como uma esmerada tela renascentista. Somente a brisa, com a sua constância e providência, para amenizar os dias açoitados pelo sol inclemente.

Os matos do jundu, os enormes abricoteiros copados carregadinhos de frutos ainda verdes, tremulam as suas folhas e parecem agradecer aquela fresca tão agradável, que os livra do sol causticante, sempre a emitir os seus raios implacáveis como se todos fossem obrigados a recebê-los submissos. O que seriam essas tardes calorentas sem a presença da brisa suave e refrescante, que esvoaça os grãos de areia e faz agitar a vegetação rasteira do jundu?

O céu esta sereno. O azul arde na vista: azul que o mar reflete sem a menor cerimônia. Algumas nuvens, incrivelmente brancas, vão lentamente se movendo sabe Deus para onde, empurradas pelo vento amigo e incansável.

É neste momento, agora menos distante e mais reflexivo, que, olhando para o mar bem ali à minha frente, e sentindo a brisa que faz tremular a vegetação em volta do barranco, bem aqui, sob a sombra generosa do fiel abricoteiro, guardião absoluto deste trecho de jundu – agora mais do que nunca percebo o quanto é impressionante a harmonia existente entre todos os elementos, que parecem explodir na Jureia. É fascinante o quanto cada elo se funde, aprisionados no quadro maravilhoso que se nos oferece, pincelado sabe-se lá por que mãos misteriosas, que acredito ser de Deus.

A brisa ainda acaricia o meu rosto. A tarde me abraça e o mar insiste em se aproximar de mim, pretendendo em vão invadir a privacidade do meu jundu inexpugnável. Com os olhos semi-abertos, e um sorriso farto estampado ao rosto, fico olhando para esse belo mar que me extasia a vista, e agradeço a fresca da brisa companheira. São os meus íntimos amigos, com os quais compartilho os momentos únicos propiciados por uma tarde ensolarada. Uma tarde na Jureia.
                                        
ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br


(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).













Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial