Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

O pessimismo do general Arouche








O tenente-general José Arouche de Toledo Rendon foi um paulistano de destaque em seu tempo. Nascido na vila de São Paulo em 1756, faleceu nessa mesma localidade em 1834, aos 78 anos.

O pessimismo do general Arouche
General Arouche

Formou-se em direito em Coimbra, Portugal, e advogou durante algum tempo em sua mocidade. Mas, desde jovem, optou pela carreira militar, galgando cargos como capitão do regimento de infantaria de milícias, coronel comandante, mestre-de-campo, brigadeiro e tenente-general. Foi também agricultor. Deixou vários escritos sobre a Capitania de São Paulo, além de poesias e reflexões.

Arouche ocupou diversos cargos públicos: juiz de medições, juiz ordinário, diretor geral dos índios, fiscal da casa de fundição de ouro de São Paulo, juiz de órfãos, presidente do Conselho de Guerra, governador interino das Armas da Província, deputado provincial, encarregado dos arruamentos, provedor da Santa Casa de São Paulo.

Foi o primeiro diretor da Faculdade de Direito do Largo de SãoFrancisco, cargo que ocupou de 1827 a 1833. Era proprietário de boa parte da zona central da cidade de São Paulo, hoje conhecida como Vila Buarque, uma área que abrangia o atual Largo doArouche e a Praça da República.

Em 1788, quando havia assumido o cargo de governador da Capitania de São Paulo o capitão-general Bernardo José de Lorena, Arouche escreveu suas “Reflexões sobre o estado em que se acha a agricultura na Capitania de S. Paulo”, onde alinhavou alguns comentários céticos – e poderíamos dizer até mesmo pessimistas – sobre a faixa litorânea desde Santos a Paranaguá.

Arouche escreveu que as vilas da marinha estavam num estado miserável e que mereciam maior atenção. Observou que os lavradores da capitania trabalhavam unicamente três meses no ano (isto é, referindo-se aos de Serra-acima, pois nas vilas da marinha “muito menos se trabalha”).

“Em Santos”, destacou Arouche, “já se vai tendo algum calor, mas correndo a costa para o sul até o Rio de São Francisco nada ou quase nada se trabalha e até faz virem lágrimas aos olhos ver como aquela gente vive cercada de uma espantosa pobreza. A costa é só habitada nas praias porque os habitantes se sustentam unicamente do mar. Em faltando ele, alimentam-se com a água da congonha [erva mate].”

Indo para Paranaguá, espantou-se de não encontrar alimentos pelo caminho que pudesse comprar e, tanto na ida como na volta, nunca viu “pessoa alguma de qualquer sexo trabalhando, não digo só na lavoura senão também em qualquer outra coisa, com exceção da colheita de mariscos pela praia”.

Arouche é bem ácido ao escrever: “Em uma palavra, aquela gente é inútil ao Estado, porque homens dessa qualidade não tem amor ao seu país e nas invasões não resistem porque não tem que perder.”

Ressaltou que lavradores de outras regiões, mesmo com “toda a sua vadiação”, traziam o milho de lugares distantes cerca de quatorze léguas, ao passo que os habitantes da marinha, “vivendo em terras fertilíssimas, não tem de que sustentar-se”.

Curiosamente, Arouche notou que as mulheres da marinha “são muitos férteis”, supondo que isso fosse devido à fertilidade da terra, mas “não obstante a multiplicidade dos partos a povoação não vai por diante.”

As famílias moravam nas várzeas ao pé do mar, em lugares úmidos e, devido à pobreza, dormiam diretamente no chão molhado, onde adquiriam “mil doenças”, tudo isso aliado a uma alimentação deficiente baseada na “farinha de pau”.  

O ilustrado militar fez apenas uma única exceção: “Exceto a vila de Iguape que tem aumentado. Lá os terrenos são mais secos e de melhores cores e as moças são formosas; já há suas lavouras de cana e algum gado”, notando que “uma das cousas do seu aumento é a romaria [ao Bom Jesus].

Por estas anotações, podemos concluir que, a despeito de Arouche ter sido bastante pessimista quanto ao trecho da marinha, os seus olhos, no entanto, se encantaram com a beleza das moças iguapenses.

Pessimista, sim... bobo, não.

ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br

(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).




(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).













Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial