Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

O Forte de Mosquera








Em 1532, a darmos crédito ao cronista argentino Ruy Diaz de Guzmán, apareceu na região de Iguape, Ilha Comprida e Cananeia o turbulento aventureiro espanhol Rui García Mosquera. Juntamente com seu grupo de castelhanos, após exaustiva viagem por toda a costa sul, “entrou em hum porto commodo, onde achou os naturais do Paiz dispostos a fazer com elle aliança, e fundou uma pequena fortaleza”.

O Forte de Mosquera
Pontal da Trincheira, Ilha Comprida.

O genealogista paulista Pedro Taques, escrevendo a frei Gaspar da Madre de Deus, informa que o porto e fortaleza de Moquera foram fundados não dentro da ilha de Cananeia, mas sim junto ou em frente a ela, de onde se conclui ter sido levantado esse forte no pontal da Ilha Comprida.

De acordo com Taques, pela Barra de Cananeia, entravam os antigos bandeirantes à caça de índios carijós e tupis. Por essa barra também entrou o respeitável padre João de Almeida com grande número de silvícolas da nação guarumines, que foram aldeados em São Paulo e Barueri.

Esse forte de Mosquera não logrou atravessar os séculos. Por ter sido levantado no pontal, um lugar sujeito a constantes erosões devido à ação do mar e, portanto, a constantes mudanças de sua configuração geográfica, o forte, com o avanço das águas, foi terminar a sua gloriosa e épica existência no fundo das águas do pontal.

Paulino de Almeida acreditava que esse que foi “um dos mais antigos fortes, senão o primeiro construído na Capitania de S. Vicente, teve assento no extremo sul da Ilha Comprida, na atual ponta da Trincheira”.

Durante quase três séculos, ficou a costa de Cananeia e Iguape sem qualquer fortificação para a defesa das barras das duas vilas. Não era raro navios piratas e corsários adentrarem pelas barras de Icapara, ao norte, e de Cananeia, ao sul, e saquearem as duas vilas indefesas.

Era o próprio povo quem defendia as duas povoações, pois não havia milícia. E, mesmo assim, o governo ainda recrutava homens das duas vilas para o Real Serviço. Os povos e Iguape e Cananeia constantemente reclamavam para que não fossem mais recrutados os seus homens, pois o número de habitantes já era bastante reduzido.

Sensibilizado com esses clamores, o rei de Portugal, D. João V, mandou publicar, em 8 de julho de 1726, uma Carta Régia onde determinava que não fossem mais recrutadas gentes das vilas do Litoral Sul, “sobretudo de Cananéia e Iguape, ameaçadas pelos piratas, que em virtude das notícias das minas de Ouro, ali appareciam, por não ter fortalezas que defendessem esses portos”.

Paulino de Almeida explica que “devido à forte corrente das águas, na barra de Cananéia, principalmente por ocasião das grandes marés, muito sofreu o extremo sul da Ilha Comprida, onde se verificou o fenômeno da erosão, dando lugar a uma sensível transformação quanto à forma do pontal, durante os últimos anos. E como as águas dando volta ao mesmo solapassem a rocha, que a pouco e pouco desmoronava, dentro em breve tão grande foi o avanço do mar que chegou a atingir ao forte, desmoronando-o por completo”.

Por causa desses buracos, os antigos moradores do lugar acreditavam que fossem produzidos por uma espécie de lobo marinho que, por ocasião das tempestades, deixava as regiões abissais do oceano e seguia para o pontal. Ali chegando, começava a cavar vorazmente nas bases dos barrancos, dando origem a grandes buracos (ou tocas), na qual se abrigava quando caía a noite.

Até algumas décadas atrás, não era raro encontrar um morador do pontal que se referisse àquelas escavações como “buraco do bicho” ou “comido do bicho”. Por causa dessa crendice, as gentes do lugar costumavam chamar a fortaleza de “Forte do Bicho”.

ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br

(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).




(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).













Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial