Últimas Notícias

Paulo de Castro Laragnoit, o historiador de Miracatu

Paulo de Castro Laragnoit foi historiador, genealogista, professor e artista plástico, sendo considerado um dos maiores vultos da inteligência valerribeirense.







Paulo de Castro Laragnoit foi historiador, genealogista, professor e artista plástico, sendo considerado um dos maiores vultos da inteligência valerribeirense. Durante toda a sua vida dedicou-se ao estudo da história de Miracatu e do Vale do Ribeira, escrevendo e publicando vários livros e artigos em jornais.
Paulo de Castro Laragnoit, em 2007.
Paulo de Castro Laragnoit, em 2007.

Nascido na antiga Vila de Prainha (hoje Miracatu) no dia 24 de dezembro de 1923, Paulo de Castro Laragnoit era filho de Pedro Laragnoit e dona Clara de Castro Laragnoit. Pelo ramo paterno, era bisneto do fundador de Miracatu, o francês Pedro Laragnoit, que doou as terras onde em 1872 foi criada a Freguesia de Nossa Senhora das Dores de Prainha.

Aos seis anos, aprendeu a ler e a escrever com o seu primo Salú, que era professor formado pela Escola Normal de Itapetininga. Aos oito anos, entrou na Escola Mista de Prainha, de primeiro a terceiro ano.

Ao completar 13 anos, foi estudar em São Carlos (SP), na Escola de Comércio São Carlos, do francês Julien Fauvel, de vasta bagagem intelectual. Formou-se em Ciências Contábeis no ano de 1943.

Naquela cidade, Paulo Laragnoit trabalhou no Escritório de Contabilidade de Bento Carlos de Arruda Botelho, descendente dos fundadores de São Carlos, e na Casa Schiavone.

Ingressou no funcionalismo público em 1946, como escrivão, na Coletoria Estadual de Miracatu. Foi responsável pelo expediente do Posto Fiscal anexo à Coletoria e pela Caixa Econômica Estadual, também anexa.

Pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Registro diplomou-se em Estudos Sociais. Lecionou na Escola Estadual “Prof. Armando Gonçalves”, na Faculdade de Registro e em escolas de Juquiá e Miracatu.

Aposentou-se, após 35 anos de serviço, no cargo de coletor estadual. Foi convidado para chefiar a Inspetoria de Arrecadação, mas não aceitou o convite porque teria que se transferir para Santos, e não desejava deixar a sua velha Prainha.

Foi casado com a professora Marina Natal Laragnoit, falecida, não deixando filhos desse casamento.

O POLÍTICO

Na política, exerceu o mandato de vereador no período legislativo de 1957-1960, ocupando o cargo de presidente da Câmara. Como vereador liderou uma campanha para a construção do primeiro jardim público de Miracatu, a Praça Pedro Laragnoit.

Quando se cogitou, em 1957, do fechamento da Escola Estadual “Armando Gonçalves”, cujo prédio estava em condições precárias, o vereador Paulo Laragnoit, na qualidade de presidente da Câmara, num encontro em Pariquera-Açu, solicitou ao governador Jânio Quadros para que construísse um prédio destinado ao ginásio. Jânio Quadros despachou favoravelmente. Mas não havia terreno nem dinheiro.

Teve início então a campanha do “Conto de Réis”: cada família miracatuense que tivesse condições emprestava à Prefeitura Municipal um conto de réis. Foi dessa maneira que a Prefeitura pagou ao cidadão Kahei Nakamura a primeira prestação do terreno do ginásio. Foram elaboradas duas listas (Biguá e Miracatu), sendo responsáveis Paulo Laragnoit e Seijó Onaga.

O HISTORIADOR

Livros de Paulo de Castro Laragnoit.
Livros de Paulo de Castro Laragnoit.



Como historiador, Paulo Laragnoit esmiuçou os cartórios da região, o Fórum de Iguape, os arquivos do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, Arquivo do Estado e Cúria Metropolitana de São Paulo.

A segunda edição de seu livro “A Vila de Prainha”, mereceu, em 1984, da Câmara Municipal de São Carlos, “um voto de calorosos aplausos”.

Historiador competente, dotado de um estilo culto e de leitura agradável, Paulo de Castro Laragnoit publicou os seguintes livros:

ü “A Vila de Prainha - 1842-1960)”, 1ª edição,  Serviço de Publicações da Escola de Engenharia de São Carlos, 1961;

ü “A Vila de Prainha”, 2ª edição, revista e ampliada (historiando não apenas Miracatu, mas todo o Vale do Ribeira), Editora Jaburu, São Carlos, 1984;

ü “Histórias do Vale da Esperança”, Edição do Autor, 1991 (este livro faz parte da biblioteca da Seção Genealógica do Grupo Air France-Paris).

ü “Laurindo de Almeida e a Vila de Prainha”, Gráfica Soset, 2006;

ü “Centenário de Imigração Japonesa - 1908-2008”, Gráfica Soset, 2008;

ü “Quatro mãos... Duas cabeças... Um só coração - Reminiscências da terra natal, no tempo da escola primária” (crônicas, edição artesanal, em coautoria com o padre João Joaquim Vicente Leite), Edição do Autor, 2011.

Em 1983, graças ao Consulado da França em São Paulo, Paulo de Castro Laragnoit conseguiu estabelecer intercâmbio cultural com as autoridades de Nay (pronuncia-se ), na França, terra de Pedro Laragnoit, onde se encontravam as suas raízes francesas. Paulo Laragnoit recebeu do prefeito, e de outras autoridades daquela cidade, cartões postais e cópias de documentos relativos à família Laragnoit, radicada naquela cidade desde 1385.

Em 1984, a Câmara Municipal de São Carlos fez a inserção em ata de “um voto de calorosos aplausos pelo lançamento da segunda edição ampliada do seu livro ´A Vila de Prainha`”.

Em 1888, os franceses publicaram no “Bulletin dês Amis de Nay, et de la Batielle” um resumo histórico de Miracatu. No final do texto, o jornalista André Rizan escreveu:

“Após ter entrevisto o trabalho incansável que Pedro Laragnoit realizou no Brasil, a gente pode sentir uma certa emoção quando se passa em Arros diante da casa maciça, bem assentada sobre a colina, onde viveram seus ancestrais desde o ano de 1385, data na qual ela era contada no número de fogos de Béar, e onde vivem ainda seus descendentes. Os ancestrais não tinham certamente grau de nobreza, mas o brasão à francesa que Miracatu escolheu em 1944 pode-se pensar que eles tivessem de certo modo.”

Em 1992, o embaixador da França no Brasil, a respeito do livro “Histórias do Vale da Esperança”, escreveu: “Espero que esse livro desperte o interesse, alcance o sucesso que merece, e que Miracatu conserve, graças ao senhor, a memória de suas raízes francesas.

Paulo de Castro Laragnoit deixou ainda trabalhos históricos inéditos, como: “Premonição”, “A longa viagem de volta”, “Aconteceu na Vila de Prainha”, “A rebelião de Isidoro Dias Lopes”, “A procura do passado” Escreveu também crônicas e poesias.

O MUSEU MUNICIPAL

 Acervo do Museu de Miracatu.
 Acervo do Museu de Miracatu.

O grande sonho que Paulo de Castro Laragnoit conseguiu concretizar foi a criação do Museu Municipal “Pedro Laragnoit”, oficializado pela Prefeitura de Miracatu através da Lei nº 605, de 13 de outubro de 1983, quando o historiador doou, por escritura pública, todo o seu acervo pessoal, que passou a constituir o patrimônio do museu.

Em sua edição de 10 de novembro de 1983, o jornal “O Estado de S. Paulo” noticiou a respeito da criação do Museu Municipal:

“Criado e mantido pelo esforço pessoal de Paulo de Castro Laragnoit, o Museu Municipal de Miracatu vai virar entidade oficial. Em outubro o prefeito Itamar Tavares de Mendonça sancionou a lei criando a instituição que foi denominado Museu Municipal ´Pedro Laragnoit´”.

O Museu Municipal foi festivamente inaugurado em 30 de novembro de 1983, por ocasião do aniversário de Miracatu.

O trabalho incansável de Paulo Laragnoit como defensor da memória de Miracatu foi elogiado pelo Dr. Eurico Branco Ribeiro, miracatuense, membro da Academia Paulista de Letras, ao falar ao seleto auditório do Curso de Museus do Brasil, em 1967.

Antes de ser oficializado, o museu funcionou, em caráter particular, por mais de 20 anos. Paulo Laragnoit exerceu a função de diretor vitalício do museu até o seu falecimento.

O ARTISTA PLÁSTICO

Como artista plástico, Paulo Laragnoit participou de diversas exposições, entre as quais:

ü I Exposição de Pintura na Escola “Armando Gonçalves” (1978);

ü Exposição de Fotografias Antigas, no Banco do Brasil (1983);

ü Exposição de Pinturas “Memória de Uma Cidade”, também no Banco do Brasil (1983);

ü Exposição do Lions de Artes Plásticas no Memorial da América Latina (1993), na capital paulista; o seu quadro “Canoeiros do S. Lourenço” foi classificado e esteve exposto naquela mostra de arte durante 15 dias.

Em 1973, promoveu a Exposição Comemorativa do Centenário da Paróquia de Miracatu.

Participou ainda dos três Salões de Artes Plásticas realizados pela Prefeitura de Miracatu, em diferentes ocasiões, além de outras mostras no Vale do Ribeira.

Em abril de 1977, Paulo Laragnoit e a sua esposa, a professora Marina Natal Laragnoit, elaboraram a bandeira de Miracatu, que foi hasteada pela primeira vez no dia 17 de abril daquele ano, por ocasião da inauguração do novo edifício do Fórum de Miracatu.

AS HONRARIAS

Muitas foram as homenagens que foram conferidas a Paulo de Castro Laragnoit ao longo de sua vida:

Em 1978, o deputado Vicente Botta consignou na ata da Assembleia Legislativa “um voto de congratulações com a população de Miracatu pela criação do Museu Municipal”. Note-se que nessa época o museu ainda era particular.

Em 1984, ingressou como acadêmico na Casa de Francisca Júlia, passando a fazer parte da Academia Eldoradense de Letras, dirigida pelo poeta João Mendes (1918-1997). Também nesse mesmo ano ingressou na Academia de Letras Municipais como membro titular.

Em 1986, recebeu o grau cavalheiresco da Câmara Brasileira de Difusão das Ciências Sociais e Internacionais, conjuntamente com o Centro de Estudos de Ciências Jurídicas e Sociais do Brasil. Dessas entidades recebeu o troféu “Gente Humana Internacional”. A solenidade foi realizada na capital paulista, nos salões da mansão do comendador Gasparian.

Também nesse mesmo ano de 1986, o Centro de Estudos de Ciências Jurídicas e Sociais do Brasil e a Câmara Brasileira de Difusão das Ciências Sociais Internacionais conferiu a Paulo Laragnoit a Ordem Jurídica e Social do Brasil no grau cavalheiresco de comendador.

Ainda em 1986, recebeu da Câmara Municipal de Miracatu a medalha de honra ao mérito “Prefeito Joaquim Dias Ferreira”.

Em 1991, tornou-se “grande oficial” do Centro de Estudos de Ciências Jurídicas e Sociais do Brasil, uma das mais altas honrarias dessa entidade.

Em 1993, passou a fazer parte da Associação Pró-Casa do Pinhal, que tem por finalidade dar apoio à conservação e manutenção da sede da antiga Fazenda Pinhal, célula-mater do município de São Carlos, preservando e divulgando o importante acervo historiográfico e paisagístico nela contido.

Genealogista emérito, Paulo Laragnoit foi sócio do Instituto Genealógico Brasileiro, de São Paulo, e do Colégio Brasileiro de Genealogia, do Rio de Janeiro.

Em sessão de 30 de novembro de 1996, a Câmara Municipal de Miracatu concedeu-lhe o título de “Cidadão Benemétido de Miracatu”.

Faleceu no dia 4 de dezembro de 2011, aos 87 anos, quando já era reconhecido como um dos mais ilustres vultos do Vale do Ribeira.  

ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: [email protected]




(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).