Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo









O Vale do Ribeira tem muitas histórias. Diversos escritores regionais já publicaram livros sobre a história, os casos e os “causos” desenrolados por aqui, em diferentes épocas. Para que seja valorizada a história de nosso País é, antes de tudo, necessário que conheçamos e valorizemos a história de nossas cidades.

Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo
Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo


Registro-SP, apesar de relativamente nova, tem muita história; e muitos “causos” também. Já conhecia um pouco de sua história oficial, através das páginas dos antigos jornais editados em Iguape. Possuo, inclusive, alguns números do primeiro jornal registrense, chamado, bem propriamente, de O Registro, que veio à luz no ano de 1925. Não conhecia, ainda, os interessantes “causos” e histórias orais, transmitidas de geração a geração.

Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo
Livro “Registro, histórias, boatos, causos, mitos e lendas de um povo”

Reli, de uma tacada só, o delicioso livro “Registro, histórias, boatos, causos, mitos e lendas de um povo”, do amigo Noziel Antônio Pedroso, conhecido escritor, músico, compositor, cronista e agitador cultural, uma das mentes mais brilhantes de nossa região. O livro é saboroso. Cada página é um convite ao humor e, em alguns capítulos, ao enternecimento.

Escrevendo numa linguagem direta, como se estivesse conversando cara a cara com o leitor, o estilo de Noziel lembra muito Jorge Amado ou João Ubaldo Ribeiro. Até mesmo os palavrões, na pena de Noziel, adquirem uma inocência franciscana, pois sempre são recheados de muito humor e espontaneidade. E não estou falando de histórias inventadas, não. São histórias reais, vividas, carnais, sofridas.

Ficamos conhecendo até mesmo detalhes insuspeitos de ilustres personalidades. Como um respeitado ex-prefeito que, na juventude, foi “ladrão de galinhas” (sendo desculpado devido aos arroubos da juventude). Ou o dono de uma auto-escola que tinha uma maneira peculiar de conversar com seus empregados, usando palavras que fariam corar até mesmo Dercy Gonçalves.

No livro encontramos gente de todos os tipos e gostos. Tem lá Lourenço Marques, o maior mentiroso de Registro. Tem a Rita Pidonha. O Mario Gonzaga, conhecido como o “Tio Patinhas” registrense. Temos as desavenças políticas entre os ex-prefeitos Jonas Banks Leite e José de Carvalho, com a história da “Cobra Grande”. Ou o interessante jogo de palavras que conta a vida dos irmãos gêmeos João Oscar Pio e João Oscar Calá, entre outras fascinantes histórias.

Não dá para ficar insensível à comovente história de “Quebradinho”, que comeu o pão que o diabo amassou, mas que conservava sempre o bom humor. Como certa vez quando um casal de namorados estava em conversações (digamos, íntimas), no escurinho, e apareceu o “Quebradinho” e contou-lhes sobre as suas necessidades fisiológicas, com a maior naturalidade do mundo.

Com seu estilo claro, direto, Noziel pode ser colocado na galeria dos bons cronistas brasileiros. E pelo seu bom humor pouco fica a dever a um Luiz Fernando Veríssimo, que recria, em suas crônicas, a comédia da vida privada brasileira. A diferença é que Noziel não inventou nada. Ao contrário, foi buscar na realidade de sua cidade as histórias tragicômicas, que recheiam as páginas do livro.

Já em sua terceira edição, a obra nos propicia conhecer melhor Registro, a Capital do Vale. Afinal, nem só de história oficial vive um povo. A história não é feita apenas por decretos, leis, atas ou documentos oficiais. A história é feita, principalmente, por pessoas de carne e osso, que amam, que traem, que xingam, que ajudam, que vivem a vida à sua maneira, sem a preocupação de registrá-las em documentos.

Aos cronistas cabe reconstituir o dia a dia, a vida familiar e social, as amizades, os escorregões e mancadas, enfim, aquilo que a vida tem de mais saboroso. Quem ainda não leu Noziel, não sabe o que está perdendo.

(Crônica publicada no Jornal Regional [de Registro], nº 1.189, de 29 de abril de 2016)

ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br




(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).


Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial