Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

As armas e os barões assinalados

 

“As armas e os barões assinalados,

Que da ocidental praia lusitana,

Por mares nunca dantes navegados,

Passaram ainda além da Taprobana.”

 

Luiz de Camões.
 Luiz de Camões.

Quem já não ouviu esses versos, escritos pelo maior poeta da língua portuguesa, Luiz Vaz de Camões (1524-1580)? Os versos iniciais foram uma imitação do poema “Eneida”, de Virgílio: “Arma virumque cano” (“Canto as armas e o varão”). As “armas” se referem aos feitos militares; enquanto “barões” são o mesmo que “varões”, ou seja, homens valorosos, no caso, os portugueses.

 

A vida de Camões sempre foi envolta numa aura de grandeza e de mistério. Há dúvidas quanto ao local e à data de nascimento do poeta. Não foram localizados documentos comprobatórios, por isso aceitam-se hipóteses as mais variadas. Em seus poemas, Camões colocou muitos dados biográficos, que desde então vem sendo pinçados pelos biógrafos para tentar preencher as muitas lacunas existentes. Camões teria nascido em 23 de janeiro de 1524, em Lisboa. Isto porque um de seus biógrafos, Faria e Souza, disse ter encontrado documento (depois desaparecido), segundo o qual Camões tinha 25 anos em março de 1550. Foram feitos complicados cálculos para chegar à data presumida.

 

A mãe teria morrido durante o parto, conforme se pode deduzir dos versos:

 

“Quando vim da materna sepultura

De novo à vida, logo me fizeram

Estrelas infelices obrigado.”

 

O nascimento do poeta teria se dado numa data aziaga, pois o sábio Stoffer, de Tubinque, havia predito um dilúvio na Europa no início de 1524, devido ao ajuntamento de alguns planetas no signo de Peixes, daí o verso “estrelas infelices”. O próprio Camões fez seu atestado de nascimento nos versos:

 

“O dia em que nasci morra e pereça

Não o queira jamais o tempo dar;

Não torne mais ao mundo, e se tornar,

Eclipse, nesse passo, o sol padeça.”

 

O verso “não torne mais ao mundo” indica que o povo acreditava que o mundo iria se acabar. E, segundo os astrônomos, houve um eclipse no dia 23 de janeiro de 1524.

 

Até mesmo o sobrenome, Camões, está envolto em mistério. Alguns autores acreditam que o sobrenome deriva da ave “camão”, que, de acordo com a crendice popular, morria em casa onde existisse “a menor infração à fidelidade conjugal”, conforme escreveu Afrânio Peixoto em prefácio a uma das edições de “Os Lusíadas”. Ancestral do poeta teria sido infamada, porém, a ave teria resistido. Em gratidão, adotaram o nome Camão, que passou a Camões. Outros atribuem a origem do sobrenome à região da Galícia, cujo ancestral seria Rui Garcia de Camanho, no século XII. Seus descendentes passaram a assinar Caamões, conforme Fernão Lopes, enquanto Mário Saa acreditava que o sobrenome derivava de “Caiam”, que era uma “terra situada entre o Tejo e o Montalvo do Soor. Caiam era o nome da Serra de Montejunto, ou ‘Montes juntos’, montes de Caam ou Caamontes”.

 

O pai do poeta seria Simão Vaz de Camões, filho de Antão Vaz da Camões, casado com Guiomar Vaz da Gama, da mesma família do navegador Vasco da Gama. Apesar das origens fidalgas, sua família era pobre. Camões teve uma “vida airada”. Teria se enamorado por uma nobre, filha de ministro, sendo preterido pela família da moça. De temperamento agitado e desassossegado, certa feita, em 1552, ao tentar defender um amigo que estava sendo agredido por um encapuçado, feriu ao agressor, um certo Gaspar Borges Corte-Real, encarregado dos arreios do Paço. Camões foi preso ao tronco da cidade, e depois ficou confinado na prisão por oito meses e 18 dias. Sua liberdade foi condicionada à partida para a Índia. Finalmente, a Corte ficaria livre do jovem inconveniente.

 

Camões percorreu, em campanhas militares, vários lugares da Ásia: Chembre, China, Molucas, ilha de Banda, Macau. Numa batalha perdeu o olho direito. Em Macau, tomou posse, em 1558, do cargo de “provedor de defuntos e ausentes”. Foi acusado de delitos administrativos; acabou sendo preso e levado à Índia, a fim de se defender. Nesse meio tempo, havia se enamorado por uma bela chinesa, chamada de Dinamene, que o acompanhou na viagem. Quando estavam passando pela foz do rio Mekong, no antigo Sião, atual Tailândia, o navio naufragou. O poeta conseguiu salvar os manuscritos de “Os Lusíadas” numa das mãos, nadando com o outro braço. A moça chinesa, porém, se afogou.

 

Camões perdeu a sua “alma minha gentil”, pela qual sentiu “perpétua saudade de minh´alma”. Em compensação, a humanidade ganhou uma obra magistral, que foi traduzida em quase todos os idiomas conhecidos.

 

 

ROBERTO FORTES

ROBERTO FORTES, escritor e poeta, é licenciado em Letras e autor do livro de contos “O Tucano de Ouro - Crônicas da Jureia” (2012), além de centenas de crônicas e artigos publicados na imprensa do Vale do Ribeira.  E-mail: robertofortes@uol.com.br

(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).

 

Confira todas as crônicas do Alfarrábios


Postar um comentário

0 Comentários