Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

Os jesuítas no Vale do Ribeira








Com a descoberta de novas terras pelos portugueses e espanhóis, e a consequente conquista de novos súditos na África, Ásia e América, necessário se fazia cristianizá-los. Para tanto, autorizado por Roma, Inácio de Loiola fundou, em 1534, a Companhia de Jesus, cujos fundamentos foram confirmados pelo papa em 1540, através da bula Regimini Militantis Ecclesiae.

Os jesuítas no Vale do Ribeira
Padre José de Anchieta.

Os seguidores dessa companhia eram chamados de jesuítas ou inacianos. Os primeiros jesuítas chegaram ao Brasil com o governador geral Tomé de Souza. Seis deles desembarcaram na Capitania da Bahia, no dia 29 de março de 1549, sob o comando do padre Manoel da Nóbrega.

As missões jesuíticas no litoral de São Paulo foram iniciadas em 1554, ao tempo dos padres Leonardo Nunes (Abarebebê, “o padre voador”), Diogo Jácome, Pedro Corrêa e João de Souza.

O padre Manoel de Paiva esteve em Iguape em 1554, segundo afiança o historiador e pintor Benedito Calixto; junto com o padre Leonardo Nunes, percorreram toda a costa litorânea do Sul de São Paulo.

Em 1554, de acordo com a tradição, foi celebrada a primeira missa na Vila de Iguape. O historiador Ernesto Young, que colheu informações junto aos mais antigos iguapenses de sua época, assevera que o primeiro padre que passou pelo povoado foi o jesuíta Pedro Correa.

Mas no final desse mesmo ano, uma tragédia abalou a Companhia: Pedro Correa e João de Souza foram massacrados nas fraldas da Serra do Mar, “nos sertões de Cananeia”, o que levou à interrupção dessas missões no litoral. Sobre esse episódio, o pintor Benedito Calixto produziu artístico quadro, intitulado, bem propriamente, Os Mártires de Cananeia.

Somente depois de Anchieta e Nóbrega estabelecerem a paz com os tamoios de Ubatuba‚ a partir de 1556, as missões jesuíticas tiveram prosseguimento.

Por sua defesa intransigente do gentio, os jesuítas passaram a ser mal vistos pelos paulistas, preadores inveterados de silvícolas. Começaram a ser perseguidos. Companhias contra eles foram promovidas. Mas os inacianos também tinham os seus defensores.

No dia 25 de junho de 1640, em São Vicente, foi realizada reunião para angariar quatro mil cruzados, que seriam destinados à campanha em favor dos jesuítas. Iguape e Cananeia colaboraram quantias bastante expressivas para a época.

No entanto, nesse mesmo ano, os jesuítas foram expulsos de São Paulo e de toda a Capitania. Os jesuítas seriam definitivamente expulsos do Brasil e dos domínios portugueses em 1759, por ordem de Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal, que promoveu grandes reformas políticas e econômicas no império lusitano.

Sobre os jesuítas se criaram muitas histórias e lendas, sobre tesouros perdidos, assombrações, maldições e outras curiosidades transmitidas pela tradição oral desde os princípios da colonização portuguesa em nossa região.

ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br


(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).













Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial