Últimas Notícias

Americanos Confederados no Vale do Ribeira

Um importante episódio histórico que poucos têm conhecimento foi a malograda tentativa de americanos confederados se estabelecerem no Vale do Ribeira após a Guerra da Secessão.






           


Um importante episódio histórico que poucos têm conhecimento foi a malograda tentativa de americanos confederados se estabelecerem no Vale do Ribeira após a Guerra da Secessão. Grandes levas deixaram os Estados Unidos e imigraram para vários países, principalmente para a América do Sul, muitos deles vindo ao Brasil. Cerca de 400 a 500 americanos vieram para o Vale do Ribeira, a fim de se fixarem em Juquiá e em Apiaí. Essa fascinante epopeia mostrou o quanto foi difícil para os americanos se fixarem na região, à época uma verdadeira selva intocada.

Americanos Confederados no Vale do Ribeira
Jefferson Davis, presidente confederado

            A incrível saga americana no Vale do Ribeira foi historiada pormenorizadamente por vários estudiosos, entre os quais destaca-se a pesquisadora Judith Mac Knight Jones em seu livro “Soldado Descansa! Uma Epopeia Norte-Americana Sob os Céus do Brasil”. A região seria o ponto de partida para a tentativa de se dar uma nova pátria aos americanos confederados que, humilhados pela derrota na guerra contra os americanos do norte, deixaram seu país em busca de novos horizontes.

A GUERRA DA SECESSÃO

            Na metade do século XIX, os Estados americanos do Norte e do Sul possuíam características bastante diferentes. No Sul, onde a maioria dos trabalhadores era constituída por escravos negros, predominava a agricultura, baseada principalmente na cana-de-açúcar e no algodão, cultivados em grandes fazendas: as plantations. Já o Norte, industrializado, assemelhava-se aos países da Europa ocidental, chegando mesmo a competir com a Inglaterra na produção de manufaturados têxteis, que vendia ao Sul.

            A economia sulista baseava-se exclusivamente na mão-de-obra escrava, naturalmente mais barata que a assalariada. Para o Norte, isso representava um obstáculo, pois não permitia o desenvolvimento de seu mercado, uma vez que o escravo negro não     tinha condições de consumir os produtos fabricados. Dessa maneira, era nítida a inclinação dos nortistas pelos ideais abolicionistas e antirracistas, resultando em conflitos com os     Estados do Sul. Tal situação se agravou em 1860 com a eleição de Abraham Lincoln, um nortista que prometeu abolir a escravidão.

            Com a vitória de Lincoln, onze Estados sulistas romperam com a União, escolheram outro presidente, Jefferson Davis, e passaram a se chamar Estados Confederados da América. Assim começou a guerra. Sob o comando do general Robert E. Lee, durante dois anos os confederados foram bem sucedidos, a partir de sua primeira vitória em Bull Run (julho de 1861). Como eram mais numerosos e dispondo de condições financeiras favoráveis, os estados do Norte optaram por uma guerra prolongada, a fim de     enfraquecer os confederados.

General Robert E. Lee
General Robert E. Lee


            Após esse período, sucederam-se as vitórias nortistas, com uma ou outra conquista da parte dos confederados.

Em 9 de abril de 1865, o general  Lee se rendeu, pondo fim à guerra civil na qual morreram mais de 200 mil homens. A escravidão foi abolida e os Estados sulistas voltaram a fazer parte da União.
 
Bandeira confederada
Bandeira confederada



A VINDA PARA O BRASIL

            Em 1865, o Dr. James Mc Fadden Gaston veio ao Brasil e, excursionando pelo Estado de São Paulo, concluiu que a região do Vale do Ribeira era uma das mais propícias para iniciar a imigração dos americanos confederados. Logo em seguida, enviou um relatório ao Governo da Província, que resultou na formação de uma comissão com o objetivo de incentivar a vinda de americanos para o Brasil. Como presidente dessa comissão, ficou o conselheiro Antônio da Silva Prado, o célebre Barão de Iguape.

            Sob o comando de vários reverendos, os americanos chegaram ao Rio de Janeiro em 1867. O primeiro grupo foi o comandado pelo coronel Frank Mc Mullan, acompanhado do reverendo Ballard S. Dunn. De acordo com um apontamento do comendador Luiz Álvares da Silva, importante político e capitalista iguapense, em seu diário pessoal, esse grupo chegou em Iguape no dia 26 de maio de 1867, vindos no vapor americano Marmion, num total de 154 americanos, tendo partido para o então distrito de Santo Antônio do Juquiá no vapor Telegrapho.

            Outro grupo chegaria ao Rio de Janeiro em dezembro de 1867. Uma vez na Capital do Império, no dia 25 de dezembro partiram no vapor Vixien para o Porto de Santos, ali chegando no dia seguinte. Por fim, chegaram a Iguape no dia 29 de dezembro, de onde seria o ponto de partida para o estabelecimento das colônias lideradas pelo reverendo Ballard Dunn, pelo Dr. James Gaston e pelo coronel Frank Mc Mullan.

O Dr. Gaston  se estabeleceu com a sua família à beira de um rio nas proximidades de Apiaí, num lugar chamado Porto, que era ponto de passagem obrigatória de Iguape para Apiaí. Em fins de 1868, o Dr. Gaston mudou-se para Faxina (hoje Itapeva), transferindo-se depois para Campinas e Santa Bárbara D'Oeste.

O reverendo Dunn escolheu o rio Juquiá para se estabelecer, enquanto o grupo do coronel Mc Mullan preferiu se instalar rio acima. O Governo vendeu essas terras a Dunn e Mc Mullan por 200 contos de réis, uma verdadeira fortuna na época.

A CHEGADA EM IGUAPE

            Ao chegarem à cidade de Iguape, os líderes dos americanos se apressaram em subir logo o rio até Juquiá, onde o coronel Bowen já se encontrava, tendo ali construído um abrigo provisório. Os demais se acomodaram do jeito que puderam em Iguape. Alguns se     abrigaram em casas desocupadas e outros acamparam na praça.

            No primeiro dia, enquanto a senhora Smith cozinhava na rua, um jovem iguapense  se aproximou do grupo e, gesticulando, procurou se comunicar com ela. A mulher chamou seu filho Eugênio, que estudara durante a viagem um pouco de português e, a muito custo, compreendeu que o moço os estava convidando para irem à sua casa. O pai do iguapense, cujo nome não é citado no relato de Judith Mac Knight Jones, possuía uma casa muito     espaçosa, com uma venda na frente, situada na Praça da Basílica. A família Smith ficou instalada nessa casa durante várias semanas.

            Para passar o tempo, ficavam explorando os arredores da cidade. Foi assim que descobriram as ruínas de um grande mosteiro que os jesuítas haviam iniciado. Era uma construção enorme e, apesar de abandonado, servia de testemunho da pujança daqueles missionários, ficando os Smith muito impressionados.

Belona Smith escreveu um interessantíssimo relato sobre Iguape, que foi resgatado pela pesquisadora Judith Jones, à página 132 de seu livro:

            “Era junho o mês da Festa de São João. Festa à moda antiga, com ´bumba meu boi´, enormes jacarés que escondiam gente dentro, navios de guerra que se                bombardeavam na hora dos fogos até se destruírem. Nunca se viu coisa igual e os imigrantes ficaram muito impressionados. Depois da queima de fogos, foram convidados  por famílias do lugar para irem saborear doces em suas casas. Coisas que eles nunca experimentaram: biscoitos de polvilho, tantos outros doces completamente desconhecidos para os estrangeiros. Tudo servido em bandejas e passados pelas mãos dos escravos pretos. Os lugares de honra eram as redes, nunca havia menos de três ou quatro em cada casa, mas não havia cadeiras. Havia bancos de madeira. Os brasileiros foram gentilíssimos para com os recém-chegados e mesmo não podendo falar a língua, pegavam-nos pela mão e por sinais levavam-nos às suas casas e nos cumulavam de gentilezas (...).”

            Judith Mac Knight Jones descreve a vida dessas famílias logo no início de sua chegada a Juquiá. Plantavam o arroz e o socavam no pilão, encarregando as crianças desse serviço. Usavam melado em lugar do açúcar. Faziam pão de milho, cujo fubá era obtido num moinho por eles construído, no qual também fabricavam farinha de mandioca. Criavam, ainda, frangos e porcos. A igreja ficava debaixo de uma árvore e os bancos eram improvisados, para que todos pudessem assistir aos sermões do reverendo Quillen.

            O historiador iguapense Waldemiro Fortes (1873-1932), que escreveu importantes trabalhos sobre a História de Iguape, também nos fornece preciosas informações sobre a vinda de americanos confederados para a região. Segundo ele, um grupo de americanos se instalou no Vale do Rio Comprido, na Jureia, estabelecendo ali uma indústria de corte de madeira no ribeirão do Palhal. A madeira era transportada até Santos num pequeno barco que, afinal, acabou naufragando nas proximidades da barra do rio de Una. Desanimados com o desastre, os americanos se retiraram da Jureia, dirigindo-se para lugar ignorado.

DR. GEORGE BARNSLEY

            Logo que chegou em Iguape, o médico Dr. George Scarborough Barnsley procurou  obter seus primeiros clientes, mas eles eram tão pobres que mal podiam lhe pagar algum vintém. O Dr. Barnsley morava numa casa de barrote e dormia numa esteira; sua comida     era banana e algum pedaço de pão duro. Foi quando resolveu morar com um outro americano, William Turner Moore (que teve sua perna amputada em consequência de um tiro acidental), e, dessa maneira, compartilharem o pouco que tinham.

Moore viajara até Iguape no vapor Derby e era casado com uma irmã do coronel Mc Mullan. Houve dia em que só tinham pão e água para o almoço. Certa vez, Moore desapareceu de casa pela manhã e só retornou à noite, trazendo consigo pão, velas e algumas utilidades e moedas. Tudo isso ele ganhara no jogo com os iguapenses.

            Na descrição de Judith Jones, o Dr. George Barnsley era moço, solteiro e conseguia se fazer entender razoavelmente usando de algumas palavras e de gestos. Certo dia, conta a pesquisadora, foi chamado à casa de um capitão iguapense que se achava em viagem em alto-mar. Na casa, além do capitão, que era viúvo, moravam suas cinco filhas, sendo que uma delas se encontrava acamada com pneumonia. Acompanhado por um amigo, que lhe serviu de intérprete, o Dr. Barnsley precisou de uma toalha para examinar o peito da moça. Assim, perguntou ao amigo como se falava toalha em português, ao que o outro, falando sério, respondeu: “saia”. O Dr. Barnsley entrou sozinho no quarto, onde à beira do leito estavam enfileiradas as quatro belas irmãs da paciente. O médico, após tomar o pulso da moça, pediu-lhe, em mau português, que ela lhe desse... a saia. Fora do quarto, o amigo morria de rir, enquanto a moça se corou e seus olhos faiscaram. As irmãs procuraram disfarçar o riso e foi então que o doutor percebeu que fora vítima de uma brincadeira de mau gosto...

AS FAMÍLIAS AMERICANAS

            Dos americanos confederados que vieram para o Vale do Ribeira, a maioria era do Estado do Texas. Depois de malograda a tentativa de se estabelecerem na região, os americanos resolveram deixar o Vale. Alguns retornaram para os Estados Unidos, outros seguiram para Santa Bárbara do Oeste, Americana e vizinhanças, onde seus descendentes se encontram até hoje.

Judith Mac Knight Jones fornece uma extensa relação das famílias americanas que se estabeleceram no Vale do Ribeira (sendo a maioria do Texas, como frisamos):

            Ballard S. Dunn, Joseph Dunn, Simeon Dunn, M. F. Demaret, George Tarver, Frank Mc Mullan, Judge Dyer, Green, Daniel, Cook, Steret Mc Knight, A. I. Smith, Reverendo Weaver, Sra. Garlinton, Billie Gill, Hickmam, Linn, Cobb, Tom Mc Knight, I. Pinckley, Shares, Jess Wright, Garner, Weingeuther, Reverendo Quillen, Reverendo Ratcliff, Parks, Johnson I, Johnson II, Warson, Glenn, Hargrove, Reverendo Carter, Henderson, Mc Cann, Crovey, Mc Alpine, Pyles, Burton, Joe Minchin, Coronel W. Bowen, Crawley, Mason, Maston, Major Penn, Stamply, Schofield, Zino Frelder e Cartis Frelder (irmãos), Dr. George Barnsley e Capitão Barnsley (irmãos), e Bob Smith. Do Estado do Alabama vieram: Fenley e John Rowe.

ROBERTO FORTES


ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: [email protected]

Blog: https://robertofortes.blogspot.com/

(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).