Sinais importantes que devemos prestar atenção no TEA Sinais importantes que devemos prestar atenção no TEA
Siga nosso Canal no Whatsapp

Sinais importantes que devemos prestar atenção no TEA

Sinais importantes que devemos prestar atenção no TEA


Este texto tem a finalidade de auxiliar e propor um olhar mais atento aos pais e familiares de crianças que apresentam características do transtorno do espectro autista (TEA). 

É importante lembrar que, mesmo com o reconhecimento e identificação destes sinais, cada indivíduo é único e não tem ou apresentará os mesmos “sintomas” e características que outra pessoa com TEA possa ter. Por isso, ao perceber esses sinais, cabe à Família a busca por diagnóstico e suporte com profissionais.

Os sinais que adiante serão descritos, já estão presentes na primeiríssima infância, ou seja, ainda quando bebê, é mesmo que desenvolvam-se habilidades esperadas para essa fase, como sentar, engatinhar e andar, o que se verifica porém, são os consideráveis déficits nos campos de comunicação não verbal como o contato visual e sustentação deste, linguagem, iniciar e manter interações sociais.

Antes de dar sequência, é prudente citar mais uma informação considerada por muitos médicos, psicólogos e demais especialistas como sendo valiosa, que é a de buscar o diagnóstico de maneira precoce, portanto, ao compreender e verificar sinais presentes nas fases iniciais, inclusive antes dos 18 meses se é possível, de maneira que as intervenções terapêuticas também iniciadas precocemente favorecem o prognóstico, desenvolvimento e qualidade de vida não somente para o indivíduo como para toda a família e envolvidos.

Os sinais a serem verificados são:


- ausência de resposta ao sorriso ou outras expressões faciais que são direcionados pelos pais;

- dificuldade em fazer é manter contato visual;

- não olhar para objetos que lhes são apontados;

- dificuldade ou ausência do comportamento de apontar para situações e objetos que precisem da atenção e olhar dos pais;

- baixa probabilidade de que possa trazer objetos para que os pais possam olhar;

- não aponta para objetos;

- apresenta considerável dificuldade em perceber o que pessoas ao seu redor estão pensando ou mesmo sentindo demonstrando através de expressões faciais;

- ausência de empatia e/ou preocupação pelos outros;

- desinteresse em fazer amigos;

- dificuldade em apontar para objetos quando deseja algo;

- repetição do que lhe é falado sem compreensão do significado (ecolalia);

- ausência de resposta quando chamado pelo nome;

- reação e resposta a outros sons como buzinas, fogos de artifício, barulho de motos, etc.

- uso de pronomes em terceira pessoa em uma frase: “ele quer”; “ele não gosta”;

- parece não querer se comunicar ou evita comunicar-se;

- não dá início ou mantém conversas;

- uso de brinquedos sem funcionalidade, em situações que possa representar a realidade ou pessoas, ou que se exija o uso de sua imaginação;

- apresenta memória para assuntos específicos como datas, nomes, ou outro tipo de conteúdo;

- importante notar se não há regressão entre os 15 e 24 meses, com a perda ou redução da linguagem;

- não é capaz de falar palavras soltas aos 16 meses;

- apego a rotinas, ordem e comportamentos rituais;

- apresenta dificuldades e restrições à mudanças, seja em ambientes ou às suas atividades e rotinas;

- hiperfoco e ilhas de interesse (interesse por assuntos determinados e específicos);

- brincar sem funcionalidade, há interesse em partes do brinquedo, como a roda do carrinho a girar, cores e luzes;

- comportamentos repetitivos ou estereotipados, andar nas pontas dos pés, girar ou balançar o corpo, agitar as mãos;

- parece não sentir dor ou sensibilidade extrema a luzes, sons, cheiros, toque ou texturas;

Por fim, é importante reafirmar que estes sinais de autismo na infância estão bastante evidentes entre os 12 meses e cinco anos de idade, e é portanto necessário que a família deva estar atenta e conectada à essa criança, e que possa por exemplo, observar que aos 12 meses apresenta dificuldade em responder ou não responde quando é chamado pelo nome, mesmo quando se repita o nome; ou perceber aos 24 meses que, não detém interesse em interagir com os pais e se o fizer, não mantém o contato visual.

Portanto, como já salientado, é importante que a família esteja atenta e dedicada a interagir e estimular essa criança, bem como propor saudável vínculo de confiança para a mesma, e como inicialmente falado, tais informações auxiliam no processo de diagnóstico precoce e busca por intervenção com equipe multiprofissional (médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicopedagogos e outros).

O importante é ter a família unida ao propósito de aprender e ensinar e também ampliar a qualidade de vida de todos os que integram esse contexto e somar forças na luta e consolidação de uma sociedade mais justa, acolhedora, inclusiva, sem capacitismo e preconceitos.

Glauco Gonçalves é psicólogo atuante na área de psicologia clínica, avaliações e terapia em TEA (Transtorno do Espectro Autista).

CRP/06 - 133936



(Direitos Reservados. O autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).




Esse texto conta com a colaboração da Dra. Laura Gabriela, médica especialista em psiquiatria que atualmente atua no CAPS de Registro-SP.


Sinais importantes que devemos prestar atenção no TEA
Sinais importantes que devemos prestar atenção no TEA


Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

Postagem Anterior Próxima Postagem