As casmurrices de Machado As casmurrices de Machado - O Vale do Ribeira

Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

As casmurrices de Machado


Nenhum outro escritor brasileiro teve tanta habilidade ao dissecar os conflitos psicológicos de suas personagens como Machado de Assis (1839-1808), o único autor nacional incluído entre os clássicos da literatura universal. A prosa machadiana, recheada de uma ironia amarga e ao mesmo tempo sensível, prende a atenção do mais desatento leitor que, cativado pelo estilo do irreverente escritor, não consegue se desvencilhar do livro antes de chegar à última pagina.


As casmurrices de Machado
Machado de Assis 
Muitos consideram Machado um romancista difícil, árido, principalmente quanto aos seus livros da fase realista. Aliás, foi o próprio Machado o iniciador do Realismo no Brasil, ao publicar, em 1881, as suas “Memórias Póstumas de Brás Cubas”. Nesta etapa de sua carreira literária, o autor se liberta do água-com-açúcar característico do Romantismo e passa a esmiuçar o universo interior das suas personagens. Machado tornou o Realismo um pouco mais acessível ao leitor de então – em geral de nível intelectual mediano –, amenizando as rudezas do texto com suas frequentes interferências e brincadeiras com o leitor.

Dentre todos os livros que compõem a vasta bagagem literária do “bruxo” do Cosme Velho, um, em especial, sempre me fascinou. A história, algumas vezes folhetinesca, outras vezes cômica, de Bentinho e Capitu transforma “Dom Casmurro” em sua obra máxima. O genial Machado consegue, nesse livro, dissecar ao extremo os segredos mais íntimos das duas personagens centrais, pincelando-nos em cores fortes os traços psicológicos da endiabrada Capitu e do ingênuo Bentinho, talvez o casal mais cativante de nossa literatura.

Nesse romance, o autor, falando na primeira pessoa, narra a história de dois jovens que, desde a infância, sempre se amaram. Por influência da mãe, que fizera uma promessa antes de ele nascer, Bentinho vai para o seminário, mas logo consegue dobrar a genitora e escapar do celibato forçado. Depois, ao finalmente se casar com Capitu, tomado de violento ciúme, Bentinho passa a desconfiar da esposa, suspeitando que ela tivera um envolvimento amoroso com o seu melhor amigo e, desse romance, nascido o filho do casal, que será o pomo de discórdia entre ambos. Para o desespero do leitor, Machado, sempre com sua ironia um tanto mordaz, não nos revela se houve de fato adultério, obrigando o leitor a tirar as suas próprias conclusões.

A leitura de Machado torna-se obrigatória, principalmente nestes tempos conturbados em que o ser humano procura ansiosamente decifrar a incógnita de sua existência e, assim, saber qual o papel a desempenhar como personagem central na história do Universo.

ROBERTO FORTES

ROBERTO FORTES, escritor e poeta, é licenciado em Letras e autor do livro de contos “O Tucano de Ouro - Crônicas da Jureia” (2012), além de centenas de crônicas e artigos publicados na imprensa do Vale do Ribeira.  E-mail: robertofortes@uol.com.br

(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).

Confira todas as crônicas do Alfarrábios



Postar um comentário

0 Comentários