Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

Itapitangui





Leitores sempre me enviam e-mails comentando este ou aquele texto. Alguns sugerem temas ou pedem explicação de um ou outro fato histórico. Na medida do possível, procuro atender às solicitações.

Serra do Itapitangui. Crédito: Antônio Silveira.
Serra do Itapitangui. Crédito: Antônio Silveira.


Um leitor de Sorocaba me enviou a seguinte missiva:

“Numa dessas raríssimas folgas, poderia o senhor nos enviar o significado do nome daquele distrito cananeense, Itapitangui. Procurei relacionar com a frutinha vermelha e o macaquinho minúsculo, mas resultou em frustração. Destrinchei somente o monossílabo Ita. Por óbvios motivos, hesitei demoradamente em escrever ao senhor, ´encher o picuá´. Pensei até em dirigir-me a um professor em Jundiaí, com quem aprendi o significado de pindaíba, entre outros.”

Antes de mais nada, convém esclarecer ao atento leitor que Itapitangui é o nome de uma portentosa serra localizada no município de Cananeia, a velha Cananeia que, segundo alguns historiadores, recebeu Américo Vespúcio em 1502, e também o donatário Martim Afonso de Sousa em 1531, conforme é comprovado pelo diário de navegação escrito por Pero Lopes de Sousa.

Parecida com a Serra dos Órgãos, no Rio de Janeiro, a Serra do Itapitangui chega a atingir a altitude máxima de 809 metros acima do nível do mar. A sua extraordinária beleza emoldura o cenário da cidade de Cananeia, para a qual serve de pano de fundo.

Vasculhando o meu arquivo, eis que me vem às mãos a importantíssima obra, em três volumes, História de Cananeia”, do sábio historiador Antônio Paulino de Almeida (1882-1969), o grande cananeiense que resgatou da história do Vale do Ribeira e Litoral Paulista, sendo chefe do Arquivo do Estado e membro do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

Além da descrição da Serra do Itapitangui, Paulino explica o significado desse vocábulo, citando trabalho do renomado Dr. João Mendes. Segundo este erudito paulista, Itapitangui vem de Yta = pedra; pitang = avermelhado; i = ser manchado, sujo. De onde temos o significado: “morro granítico manchado de vermelho”.

Comentando essa explicação do Dr. João Mendes, Paulino escreveu: “Realmente, ao por do sol a serrania se apresenta avermelhada”.

Aproveitando o embalo, vejamos também o significado do vocábulo Cananeia, na explicação do Dr. João Mendes: Caá = monte; anã = espesso, grosso, separado, com a aplicação a corpo, bosque, monte; n, intercalado por ser nasal, para ligar com é = separado, à parte, resultando em Caé-anã-n-é.

Martim Francisco, em seu Diário de uma viagem mineralógica pela Província de São Paulo em 1805”, assim define o vocábulo Cananeia: Cana = tortuosidade, meneios, meneiar-se; é = comodidade, facilidade, sem embaraços, sem perigos, com a intercalação de n por ser nasal à silaba .

Por sua vez, Teodoro Sampaio sugere que essa palavra seja o nome de uma arara.

Paulino de Almeida acreditava que esse nome já existia desde antes da Descoberta do Brasil, não sendo, portanto, de origem tupi-guarani, mas sim inspirada no calendário bíblico, em comemoração do primeiro Domingo da Quaresma e em referência ao encontro de Jesus com a mulher cananeia, quando o navegante Américo Vespúcio passou por ali e foi nomeando os principais pontos da costa brasileira com nomes do calendário litúrgico.

Acredito que a explicação do mestre Paulino seja uma das mais plausíveis.

ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br

(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).






(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).


Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial