Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

O naufrágio do padre João Eyró









Corre o ano de 1714. A Vila de Cananeia há algum tempo está sem padre. A vida transcorre pacata no lugarejo, mas não por muito tempo. Dentro em pouco, um fato marcante quebrará a rotina do lugar.


O naufrágio do padre João Eyró
O naufrágio do padre João Eyró


No mar em fora, lá bem adiante das ondas, eis que uma embarcação passa ao largo da Ilha do Mar (hoje Ilha Comprida). Numa frágil sumaca, viaja o padre João Eyró, acompanhado de outro religioso e mais o piloto.

Natural da Vila de Chaves, João Eyró partira da cidade de São Salvador, na Bahia, então a capital do Brasil, com destino à praça da Colônia do Sacramento, atual Uruguai.

Ventava muito forte. Ondas gigantescas quase emborcavam o acanhado barco.

O naufrágio do padre João Eyró
O naufrágio do padre João Eyró

Ao se aproximarem da costa da Ilha do Mar – talvez por descuido do mestre da embarcação ou, quem sabe, devido à forte ventania que castigava a embarcação – a sumaca veio a bater nos baixos do pontal da Ilha, então conhecido por “Ponta do Perigo”, a cerca de uma légua da costa, bem em frente à praia de fora.

Era noite cerrada. O padre João Eyró e o outro religioso conseguiram escapar da morte certa ao se agarrarem a uma tábua que, devido ao grande impacto, se soltara do tombadilho.

Nadaram durante toda a noite, sempre agarrados ao providencial pedaço de madeira. Dominados pelo medo e pelo cansaço, atravessaram a noite inteira cantando, com muita fé, a Ladainha de Nossa Senhora:

“Sancta Maria, ora pro nobis,
Sancta Dei Genitrix,
Sancta Virgo virginum,
Mater Christi,
Mater divinae gratiae,
Mater purissima,
Mater castissima,
Mater inviolata,
Mater intemerata,
Mater amabilis,
Mater admirabilis,
Mater boni consilii,
Mater Creatoris,
Mater Salvatoris,
Virgo prudentissima,
Virgo veneranda,
Virgo proedicanda,
Virgo potens,
Virgo clemens,
Virgo fidelis (...)”

Até que, pela manhã, exaustos, vieram encostar na praia do Pontal. Ao pisarem em solo firme, ficaram receosos por se encontrarem num lugar desconhecido e, possivelmente, povoado por indígenas.

Mas os seus temores logo se dissiparam ao serem encontrados por um honrado e caridoso morador do pontal, o português Antônio do Amaral Vasconcelos, que os acolheu em sua morada, onde viveram por algum tempo, sempre contando com a hospitalidade do generoso lusitano.

E tanto foram bem acolhidos que o outro religioso se casou com uma moça da família do português.

O padre João Eyró, por sua vez, acreditando piamente que fora salvo da morte devido a um milagre de São João Batista, padroeiro da Vila de Cananeia, decidiu ficar como padre do lugar durante o resto de seus dias, onde veio a falecer já em avançada idade.

E Cananeia voltou a ter sacerdote: o naufragado padre João Eyró, que, por esses caprichos do destino, veio acostar nas belas praias da Ilha Comprida.

ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, historiador e jornalista, é licenciado em Letras e sócio do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.  E-mail: robertofortes@uol.com.br





(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).


Outras Histórias:

·       Adélia Victória Ferreira, de Sete Barras para a poesia nacional

·       A chegada da Família Real

·       A “maldição” do padre Caetano

·       A encantadora Vila do Prelado

·       A excursão de sir Richard Burton ao Vale doRibeira

·       A Freguesia de Registro

·       A expedição do rio Itariri

·       A história de Eldorado por Miguel França de Mattos

·       A incrível saga de Rita Galdino

·       A Musa Impassível

·       A sereia da Jureia

·       A tragédia do Quatinga

·       A velha e o porco

·       A vila de Ararapira

·       A vila do Ariri

·       Aconteceu em Cananeia

·       Alegrias e tristezas de um professor em Xiriricae Iporanga no início do século XX

·       Americanos Confederados no Vale do Ribeira

·       Antônio Paulino de Almeida, o historiador doVale do Ribeira e Litoral Paulista

·       Apiaí da Ribeira

·       Apontamentos sobre a Escravidão no Vale do Ribeira

·       Ary de Moraes Giani, o jornalista que lutou peloVale do Ribeira

·       As misteriosas ruínas do Itaguá

·       As profecias de Cananeia

·       As reinações do Saci

·       As Sete Barras de Ouro

·       A visita do Dr. Carlos Botelho ao Vale do Ribeira

·       Bom Jesus: a grande festa de Iguape

·       Conversando sobre o Bacharel de Cananeia

·       De Aurélio para Ambrosina

·       Eldorado: Uma História

·       Falares caiçaras

·       Feitiçaria e curandeirismo no Vale do Ribeira

·       Gerson de Abreu - um ator de talento

·       Henrique Bauer, o engenheiro alemão quedesbravou o Vale do Ribeira

·       História do Vale do Ribeira nas páginas dosantigos jornais

·       Histórias da Ilha Comprida

·       Iguape na Revolução de 1932

·       Iguape: uma história

·       Ilha Comprida: origens históricas

·       Ilha do Mar socorre Xiririca

·       Itapitangui

·       Ivaporunduva

·       Jacupiranga: Uma História

·       Juquiá: uma história

·       João Mendes, o poeta do Vale

·       Júlio César da Silva, um ilustre poeta do Vale

·       Katsura, a primeira Colônia Japonesa do Brasil

·       Lendas iguapenses

·       Marujá

·       Minas de Ivaporunduva

·       Moralidades ribeirenses

·       Morro do Votupoca

·       Na Ribeira da Poesia”, com o poeta Júlio Césarda Costa

·       Nos confins do Vale do Ribeira

·       Noziel Antônio Pedroso, o cronista de um povo

·       O acendedor de lampiões

·       O Bacharel de Cananeia

·       O Bacharel de São Tomé (e de Cananeia)

·       O Bacharel de São Tomé (ou de Cananeia?)

·       O Caiçarês: dicionário caiçara de Cananeia

·       O Caminho do Imperador

·       O ciclo do ouro no Vale do Ribeira

·       O desassossegado padre Moreau

·       O drama da pedra da paixão

·       O Forte de Mosquera

·       O Gracuí, símbolo da cidade de Registro-SP

·       O menino do Guaviruva

·       O mistério da Volta do Frade

·       O monstro que aterrorizou Cananeia

·       O naufrágio do padre João Eyró

·       O naufrágio do vapor Conde d´Áquila

·       O ouro de Iporanga

·       O pessimismo do general Arouche

·       O tesouro de Cananeia

·       O Trem de Juquiá

·       Os jesuítas no Vale do Ribeira

·       Paulo de Castro Laragnoit, o historiador deMiracatu

·       Piratas e Corsários no Vale do Ribeira

·       Rapazes espertos e mocinhas sonhadoras

·       Registro-SP: uma história

·       Ricardo Krone, o descobridor das cavernas doVale do Ribeira

·       Tardes ensolaradas na Jureia

·       Tragédia no Baissununga

·       Uma (quase) revolta de escravos em Iguape

·       Uma história de amor na vila de Iguape em 1648

·       Uma tragédia no vapor da Fluvial