Oficinas teatrais em escolas de Juquiá e Miracatu promovem o desenvolvimento sociocultural dos jovens em meio à pandemia Oficinas teatrais em escolas de Juquiá e Miracatu promovem o desenvolvimento sociocultural dos jovens em meio à pandemia - O Vale do Ribeira

Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

Oficinas teatrais em escolas de Juquiá e Miracatu promovem o desenvolvimento sociocultural dos jovens em meio à pandemia


Seguindo os protocolos de segurança, CORPO INCENA ARTE E EDUCAÇÃO fomenta iniciativa cultural na comunidade escolar do Vale do Ribeira com o Projeto “360 Graus”

Oficinas teatrais em escolas de Juquiá e Miracatu promovem o desenvolvimento sociocultural dos jovens em meio à pandemia
Créditos da foto  Projeto 360 Graus


Apesar de vivermos em tempos de pandemia, cultura e educação continuam sendo fundamentais na formação dos jovens. Pensando nisso, o Projeto "360 Graus" - que propõe a junção do profissionalismo teatral com a importância do saber e do fazer sobre a educação emocional -, em parceria com o Legado das Águas, maior reserva de mata atlântica do país, e com o Instituto Votorantim, retomou suas ações na região do Vale do Ribeira, focando na formação de jovens de comunidades pouco favorecidas e de escolas públicas.

Oficinas teatrais em escolas de Juquiá e Miracatu promovem o desenvolvimento sociocultural dos jovens em meio à pandemia



Desde fevereiro de 2021, Sandra Corrêa Lotufo, diretora e proponente do projeto, tem entrado em contato com os representantes legais das áreas de Cultura e Educação dos municípios de Miracatu e Juquiá para definir estratégias adequadas, que tornem o retorno das atividades teatrais seguro, englobando as oficinas de maquiagem e aulas de dramaturgia, expressão corporal e musicalização. Para que a ação corresponda às exigências atuais e normas de segurança implementadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde), a equipe de profissionais do projeto tem se adequado a novos formatos de produção de conteúdo, propondo o formato híbrido, realizando aulas no formato remoto e presenciais.

Visando a formação cultural dos jovens a partir do teatro, as atividades estimulam a autonomia, a criatividade e a autoestima. Ao final do projeto, será apresentada uma peça teatral adaptada ao formato on-line. Caso o momento em questão permita, a possiblidade de apresentações presenciais será avaliada, dependendo da permissão e orientação do Ministério da Saúde.

Oficinas

Até o momento, foram realizadas duas oficinas de maquiagem, seis de dramaturgia e 16 aulas de expressão corporal e de musicalização, além das aulas antes da pandemia. Atualmente a equipe do CORPO INCENA ARTE E EDUCAÇÃO trabalha com um número limitado de jovens, ao total de 22 participantes, e realiza suas atividades em espaços abertos seguindo o protocolo de prevenção à Covid-19. O projeto terminou a criação do texto dramático, o qual foi realizado pelo dramaturgo e professor Fernando Rangel, com cocriação dos alunos participantes. A dramaturgia final falará sobre o universo das emoções, tema constantemente abordado no Projeto 360 Graus, e os temas que os jovens apresentaram como relevantes, como padrões de beleza, falta de amor próprio e relacionamentos afetivos.

Segundo Fernando Rangel, a importância do projeto está, principalmente, na formação dos jovens. “Sempre é um prazer trabalhar com jovens no projeto. Percebo que estamos formando seres humanos melhores e mais aptos a exercer a cidadania por meio da arte". Para Ricardo Nash, diretor musical e professor de musicalização, os jovens, enquanto responsáveis pelo futuro, precisam de confiança, algo que o projeto deposita nos participantes. “É uma alegria, amor e responsabilidade enormes ter a oportunidade de plantar sementes num jardim atualmente tão árido. São os nossos jovens, o nosso futuro. É neles que devemos apostar e depositar a confiança por meio da educação e da cultura para, a cada dia, termos um Brasil melhor".

A diretora do projeto aponta que o recesso de quase um ano (causado pela pandemia) dificultou o retorno dos alunos para as atividades, principalmente, em relação às aulas remotas. No início, a presença nas aulas remotas era tímida – os jovens foram aderindo às aulas gradativamente e, atualmente, após as aulas, os alunos deixam recados via WhatsApp, comentando sobre os encontros e propondo novas criações e intervenções no texto dramático e nas atividades presenciais.

Sandra ressalta que “O celular virou uma ferramenta de trabalho. Através do whatsapp os jovens encaminham as produções de textos, de danças e canções. A cada postagem realizada por um integrante, há vários comentários, os jovens passam de um assunto para outro de forma muito dinâmica. Apesar das dificuldades iniciais, conseguimos estabelecer um laço muito saudável de trabalho e, atualmente, é rotina eles me enviarem áudios com comentários sobre os estudos e ensaios que estão realizando além dos dias dos nossos encontros. É uma alegria e gratidão vê-los tão envolvidos e dedicados. Estão empolgados com o processo de filmagem das cenas, que iniciaremos no dia 26 de junho, e com as apresentações que estão previstas para a segunda quinzena do mês de julho”.

Aprovação de diretores e alunos

Este é o terceiro projeto idealizado e realizado pela diretora Sandra Corrêa Lotufo, que tem como foco a formação de jovens de comunidades pouco favorecidas e de escolas públicas de nosso país, contando com o apoio e aprovação dos representantes das escolas em que o Projeto 360 Graus é realizado. Para Flávia Catanante Gonzaga de Castro, diretora da Escola Estadual Poeta Domingos Bauer Leite, o projeto tem sido de grande importância, dado o momento pandêmico, auxiliando os participantes a lidarem com a situação. “Atividades artísticas e culturais ampliam o universo de conhecimento dos nossos alunos, especialmente em tempos de pandemia. O teatro e a arte dramática auxiliam no entendimento dos sentimentos internos, que estão bastante confusos neste momento. O Projeto 360 Graus foi um presente para a nossa comunidade escolar”.

O diretor Douglas Ramos de Moura, da Escola Estadual João Aforno Vassão, explica que o projeto auxilia no desenvolvimento das habilidades socioemocionais. “Articular as habilidades socioemocionais em um projeto como esse, com as diferentes linguagens artísticas, e construir o protagonismo juvenil, fomenta a possibilidade de ressignificar o que chamamos de aprendizagem no ambiente escolar”.

Responsabilidade Social

Daniela Gerdenits, coordenadora de Parcerias e Responsabilidade Social do Legado das Águas, afirma que o Projeto tem muito a contribuir com a formação dos jovens, principalmente no desenvolvimento das relações interpessoais. Além disso, reforça a importância do projeto, auxiliando nas questões psicológicas e reforçando os valores socioculturais para a comunidade.

“O programa é muito importante para o auxílio da comunidade escolar dos municípios de Juquiá e Miracatu a enfrentar a crise que vivemos desde o ano passado, dando uma nova perspectiva aos jovens ao trabalharem o teatro como uma espécie de fuga. Além disso, atividades culturais fomentam questões tão importantes em nosso crescimento, oferecendo não só aprendizado educacional, como auxílio no desenvolvimento da criatividade e das relações interpessoais. As atividades trazem os jovens a um novo ambiente, algo que faz com que, pelo menos durante os encontros, eles fujam da crise atual”.

Sobre o Legado das Águas – Reserva Votorantim

O Legado das Águas, maior reserva privada de Mata Atlântica do país, com extensão aproximada à cidade de Curitiba (PR), é um dos ativos ambientais da Votorantim. Localizada na região do Vale do Ribeira, no sul do Estado de São Paulo, a área foi adquirida a partir da década de 1940 e conservada desde então pela Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), que manteve sua floresta e rica biodiversidade local com o objetivo de contribuir para a manutenção da bacia hídrica do Rio Juquiá, onde a companhia possui sete usinas hidrelétricas. Em 2012, o Legado das Águas foi transformado em um polo de pesquisas científicas, estudos acadêmicos e desenvolvimento de projetos de valorização da biodiversidade, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo.

Hoje, o Legado das Águas é administrado pela empresa Reservas Votorantim, criada para estabelecer um novo modelo de área protegida privada, cujas atividades geram benefícios sociais, ambientais e econômicos de maneira sustentável.

Postar um comentário

0 Comentários