FESTIVALE – Festival de Cultura, Economia Criativa e Empreendedorismo no Vale do Ribeira FESTIVALE – Festival de Cultura, Economia Criativa e Empreendedorismo no Vale do Ribeira - O Vale do Ribeira

Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

FESTIVALE – Festival de Cultura, Economia Criativa e Empreendedorismo no Vale do Ribeira


O FESTIVALE acontecerá em abril


Seu Arabelo será atração de Diversidade Cultural com seu relato de experiência
Seu Arabelo será atração de Diversidade Cultural com seu relato de experiência



A Associação Grupo Cultural Tiduca realiza, no mês de abril, o FESTIVALE – Festival de Cultura, Economia Criativa e Empreendedorismo no Vale do Ribeira, pelo Governo do Estado de São Paulo através da Lei Aldir Blanc, sendo que o evento trará trações de seis segmentos artísticos, captando o melhor da cultura, empreendedorismo e economia criativa do Vale do Ribeira.

O FESTIVALE contemplará algumas linguagens artísticas, culturais e da economia criativa que são de extrema importância para o Vale do Ribeira, pois geram renda por meio de produtos e serviços baseados no capital intelectual e criativo, e que foram muito afetados durante a pandemia, sendo eles: Artesanato, Gastronomia, Música, Patrimônio Imaterial, Teatro e Diversidade Cultural; vamos conhecer três desses segmentos e um pouco do que o FESTIVALE apresentará em cada um deles.




Patrimônio Imaterial

Trata-se do conjunto de bens que têm valor, mas não têm preço, porque não são negociáveis. Reúne conhecimentos, práticas e modos de vida e de expressão, e também de lugares. Devido à grande diversidade cultural que existe no Vale do Ribeira, as manifestações tradicionais que são reconhecidas como Patrimônio Imaterial são muitas como as danças regionais guaranis, manifestações quilombolas, como Jongo, o Maracatu, a Capoeira; as Folias de Reis, o Fandango Caiçara, as Quadrilhas, entre outros.

Entre as atrações, podemos destacar: A Oficina Coco de roda com Marília Aguiar do Grupo de Cultura Popular Nossa Senhora do Rosário, da cidade de Iguape; Relato de experiência sobre o Sistema Agrícola Tradicional (SAT) das Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira e apresentações culturais com a Comunidade Jongo Tiduca de Cananéia, o Grupo de Fandango Caiçara ImPures no Fandango de Cananéia, o Maracatu Mar de Kaiala de Cananeia e a Quadrilha Tia Lú de Iguape.




Diversidade Cultural





São os vários aspectos que representam particularmente as diferentes culturas, como a linguagem, as tradições, a culinária, a religião, os costumes, o modelo de organização familiar, a política, entre outras características próprias de um grupo de seres humanos que habitam um determinado território. Na região do Vale do Ribeira essa diversidade é bastante ampla, contando com contribuições culturais de diversos povos que aqui chegaram e construíram a base da população regional: caiçaras, indígenas, caboclos, quilombolas, japoneses e europeus; fazendo com que o Vale possua uma riqueza cultural única, só encontrada nessa região.

Entre as atrações deste segmento, o FESTIVALE apresentará: Oficina Mba´Emo Ra´Angaa Jeapo - A Arte e o Artesanato Guarani - indígenas Guarani M’Bya da Tekoa Takuari-Ty de Cananéia, Relato de experiência sobre O modo de vida caboclo do Alto Ribeira, com Sr. Arabelo e Família, da cidade de Iporanga e entre as atrações culturais estão Canto e Dança Guarani M’Bya de Cananéia, Dança de Nhá Maruca (Quilombo Sapatu) de Eldorado e o Taiko - Ribeira Ryofu Daiko, da cidade de Registro.



Música


Marcia Mah
Marcia Mah




A música possui uma forte relação com a cultura, ocupa dentro de cada comunidade um espaço de significados, memórias, valores, etc. Assim sendo, para compreender a cultura de um determinado local ou grupo social é importante levar em consideração quais tipos de música fazem parte e como é vivenciada daquele contexto. A região do Vale do Ribeira possui uma rica cultura musical, que está incutida no cotidiano e no fazer regional. A música regional, o forró pé de serra, o samba, o fandango caiçara são exemplos da musicalidade desse território e muitas vezes é a forma de renda de muitos artistas regionais.

No segmento Música, o FESTIVALE trará a Oficina Percussão em Casa, com Nilson Collaço Ribeiro, educador musical no Projeto Guri nas cidades de Registro e Ilha Comprida; Relato de experiência sobre o Projeto Jovem de Lata, com Pedro Navalla, da cidade de Miracatu e apresentações culturais como Nativus da Ilha, da Ilha Comprida; Batucajé do Vale, de Miracatu; Trio Cheiro no Cangote, de Cananeia; Negronx Trio, de Registro; Packaw, de Registro; Marcia Mah, de Cananeia e É Pra Sambar, de Registro.



Saiba Mais...


O FESTIVALE será realizado de forma online com duração total de seis dias, divididos em três finais de semana consecutivos (aos sábados e domingos) no mês de abril de 2021. A programação do evento foi pensada para que o público tenha diversas opções de participação e interação. No total, o FESTIVALE realizará seis rodas de conversa, cinco oficinas, seis relatos de experiências, 20 apresentações artísticas, duas apresentações de pratos típicos, um curso de empreendedorismo e um bazar online, envolvendo participantes de dez cidades do Vale do Ribeira.



O evento tem o objetivo de oportunizar uma experiência de aprendizado, troca de informações, divulgação e aprofundamento do conhecimento sobre a importância da cultura local como fonte de criação, fruição e o desenvolvimento de setores da economia criativa e do empreendedorismo no Vale do Ribeira.

Postar um comentário

0 Comentários