Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

Quem manda na língua é o povo


Se a língua fosse imutável e não sofresse transformações, ainda estaríamos falando o Latim. Justamente por causa das mudanças e adaptações ocorridas ao longo dos séculos é que as línguas nacionais foram se moldando e chegaram ao estágio atual. Por outro lado, o Latim não pode ser considerado uma língua morta: a língua dos romanos não morreu, mas se transformou em outras línguas, ditas românicas, como o Português, o Italiano, o Espanhol, o Francês, o Romeno, entre outras.

Quem manda na língua é o povo

Quem manda na língua é o povo, e não os gramáticos, que apenas sistematizam e ordenam a língua, adequando-a à chamada “norma culta”. Existem escritores que cultuam um português castiço, parnasiano. Muitos de nossos escritores, hoje imortais, fizeram uso dessa linguagem rebuscada, mas foram geniais a ponto de transcenderem o pó-de-arroz e legarem à posteridade uma prosa vigorosa.

Poderia citar Euclides da Cunha, Monteiro Lobato, Paulo Setúbal. O primeiro procurou entender o nosso povo à luz das ciências de seu tempo; acertou em algumas teses, errou em outras. O segundo foi um crítico mordaz não apenas do governo, mas também da sociedade de seu tempo, através de seus personagens literários e, principalmente, de seu trabalho como jornalista. O terceiro foi buscar na História do Brasil a matéria-prima para os seus romances que, mesmo escritos num português castiço, cheio de rebuscamentos e superlativos, não deixam de encantar o leitor.

Ao longo dos tempos, a Língua Portuguesa vem sofrendo mudanças, principalmente no modo de falar, e também do ponto de vista gramatical. Diversas reformas gramaticais foram feitas, sendo a última de 2009, numa tentativa de unificar a língua em todos os países de expressão lusófona. Tal pretensão foi um tanto esdrúxula, pois, mesmo falando a mesma língua, cada país tem as suas particularidades, que não podem ser niveladas como se todos nós falássemos do mesmo jeito. Se até a língua inglesa, que é a língua da globalização, não é unificada, por que, então, a portuguesa deveria sê-lo?

Salutar é, sim, a pretensão de muitos juristas e advogados de simplificarem ou, pelo menos, tornarem inteligível a Língua Portuguesa por eles utilizada – o “juridiquês”. Por que um advogado escreve: “V. Ex.ª, data maxima venia, não adentrou às entranhas meritórias doutrinárias e jurisprudenciais acopladas na inicial, que caracterizam, hialinamente, o dano sofrido”, se poderia se exprimir assim: “V. Ex.ª não observou devidamente a doutrina e a jurisprudência citadas na inicial, que caracterizam, claramente, o dano sofrido” (?!)

Mesmo que cada profissão tenha a sua linguagem própria, técnica, os profissionais podem se exprimir de uma maneira menos iniciática, hermética, utilizando-se de termos específicos somente quando estritamente necessários. Assim, seriam entendidos e muita confusão seria evitada. Conforme disse certo advogado a uma conceituada revista: “Muitas vezes, após uma audiência, as pessoas cercam o advogado com olhar de interrogação, perguntando se ganharam ou perderam a causa”...

Quem manda na língua é o povo.


ROBERTO FORTES
ROBERTO FORTES, escritor e poeta, é licenciado em Letras e autor do livro de contos “O Tucano de Ouro - Crônicas da Jureia” (2012), além de centenas de crônicas e artigos publicados na imprensa do Vale do Ribeira.  E-mail: robertofortes@uol.com.br

(Direitos Reservados. O Autor autoriza a transcrição total ou parcial deste texto com a devida citação dos créditos).

Confira todas as crônicas do Alfarrábios


Postar um comentário

0 Comentários