Técnico Informatica

Técnico Informática Registro

Audiência Pública debate instalação de eliminadores de ar na tubulação de água da Sabesp





“Se depender de mim, munícipe não vai pagar por ar no lugar de água”, frisou o vereador Vander Lopes, autor do Projeto de Lei.

Audiência Pública debate instalação de eliminadores de ar na tubulação de água da Sabesp

A suposta cobrança de ar nos hidrômetros nas residências tem gerado muita polêmica sobre o que realmente a população paga na conta de água no município de Registro.
Na noite desta quinta-feira (04), a Câmara de Vereadores de Registro, realizou uma Audiência Pública para discutir o Projeto de Lei 39/2019 de autoria do vereador Vander Lopes (PSC), que “Dispõe sobre o fornecimento e instalação gratuita, pela concessionária de serviço de água, de válvulas de retenção de ar (eliminadores de ar), para hidrômetros a todos os imóveis comerciais e residenciais do município de Registro”.
Realizado pela Comissão de Tributação Finanças e Orçamento e Contabilidade, a audiência pública contou com a participação de representantes da equipe técnica da Sabesp.
O engenheiro da Sabesp em Registro-SP, Dionísio Santana Pereira explicou que a lei que trata sobre os bloqueadores já é aplicada em alguns municípios brasileiros. Mas que a medida não tem eficácia comprovada, também explicou que os equipamentos disponíveis no mercado não têm a certificação do Inmetro e disse ainda que são poucos os casos onde ficou comprovada a interferência de ar nos hidrômetros em Registro-SP.
De acordo com a proposta a concessionária, que atende o município, deverá fornecer e instalar sem ônus, a válvula de retenção de ar. Terão direito ao dispositivo todos os usuários dos serviços: pessoas físicas e jurídicas, comerciais, industriais, prestadores de serviços, assim como órgãos da administração pública direta ou indireta e organizações sociais sem fins lucrativos.
Ao justificar a apresentação do projeto, Vander Lopes disse que a população registrense está, inapelavelmente, pagando, e caro, por um produto que não consome. “Em algumas regiões inclusive, a força do ar que sopra das torneiras, causa estupefação nos usuários, que leigos, não fazem ideia dos prejuízos financeiros decorrentes. Em decorrência dos serviços executados na rede, e quando o abastecimento é retomado, o ar passa pelo hidrômetro e é registrado como água, representando um volume de consumo, que na realidade não ocorreu. Dessa forma, muitos consumidores reclamam que pagam alto valor nas contas de água, sem de fato consumir. Isso porque, em muitos casos, a pressão do ar na tubulação faz com que o ponteiro do hidrômetro gire mesmo sem água, ou seja, registrando um consumo inexistente. Essa situação acaba amargando no bolso do consumidor”, argumenta, ao final.
Segundo a Escola Federal de Engenharia de Itajubá (MG), onde aparelho semelhante é fabricado, garante que sua instalação significaria uma economia de 35% nas contas de água, ressaltando que esse percentual pode variar de uma região para outra, de acordo com a frequência das interrupções no fornecimento de água. Fato que favorece a entrada de ar na rede.
O projeto seguirá o trâmite interno dentro das comissões até ir para votação no plenário.













Postar um comentário

0 Comentários