Últimas Notícias

Hospital Regional de Registro realiza primeira cirurgia cardíaca "sem sangue" no Vale do Ribeira







Paciente de 56 anos passou por revascularização do miocárdio na sexta-feira (14) e teve alta da UTI três dias depois; técnica sofisticada prevê a circulação do sangue fora do coração e pulmão durante a operação

Hospital Regional de Registro realiza primeira cirurgia  cardíaca "sem sangue" no Vale do Ribeira
Hospital Regional de Registro realiza primeira cirurgia  cardíaca "sem sangue" no Vale do Ribeira

O Hospital Regional de Registro (HRR) realizou, na última sexta-feira (14), a primeira cirurgia cardíaca "sem sangue" na história do SUS do Vale do Ribeira. Inovadora, a técnica de "circulação extracorpórea" permite que a operação seja feita com o sangue circulando em tubos externos, fora do coração e pulmão.

Durante o procedimento, uma bomba oxigenadora realiza o desvio do sangue e o devolve reoxigenado ao paciente, sem passar pelos órgãos vitais. A técnica possibilita ao cirurgião realizar as delicadas suturas das pontes de safena ou mamária.

Uma equipe de 15 profissionais liderada pelo coordenador de Cardiologia do HRR, Alfredo Fiorelli, participou do procedimento de revascularização do miocárdio. Com quase sete horas de duração, a cirurgia foi um sucesso e o paciente de 56 anos recebeu alta da UTI já na segunda-feira (17).

Os cirurgiões utilizaram a mamária esquerda para fazer uma nova ligação entre a aorta (principal artéria do corpo) e uma região da coronária localizada depois da parte obstruída pelas placas de gordura. Assim, o sangue passa a utilizar este novo caminho e a oxigenação de seu coração está garantida.

O paciente foi encaminhado ao Hospital via CROSS (Central de Regulação de Ofertas e Serviços de Saúde), com quadro de insuficiência coronariana e obstrução grave de coronária, sendo preparado e operado de forma rápida.

"O HRR tem se dedicado em buscar a excelência do atendimento humanizado, com aperfeiçoamento de técnicas e a implantação de cirurgias inéditas na região, capazes de suprir cada vez mais as necessidades da nossa população", destaca o diretor técnico do Hospital, Antonio Mauricio Matsuda.

A unidade tem sido protagonista de importantes avanços na saúde do Vale do Ribeira. Em fevereiro, fez a primeira vídeo-endoscopia cerebral e, em abril, uma angioplastia de carótidas, novas técnicas que refletem de forma significativa no atendimento à população.

Referência em Cardio

Hospital Regional de Registro realiza primeira cirurgia  cardíaca "sem sangue" no Vale do Ribeira
Hospital Regional de Registro realiza primeira cirurgia  cardíaca "sem sangue" no Vale do Ribeira

O Hospital Regional de Registro tem ofertado procedimentos cardíacos no Vale do Ribeira, como o exame de cateterismo e a angioplastia - técnica cirúrgica minimamente invasiva que utiliza catéteres e próteses endovasculares para desobstruir artérias coronárias.  Desde janeiro, quando passou a oferecer os procedimentos, já realizou 264 cateterismos, 102 angioplastias e 33 implantes de marcapasso (dispositivo para regular os batimentos cardíacos).


Regulação

O HRR é voltado ao atendimento a casos de média e alta complexidade, oferecendo atendimento referenciado, regulado pela Central de Regulação de Serviços de Saúde (CROSS).
A unidade é gerida em parceria com o Instituto Sócrates Guanaes (ISG) e recebe pacientes encaminhados via Regulação por serviços municipais de Saúde, de Pronto Atendimento e também pelos Ambulatórios Médicos de Especialidades (AME) de Pariquera-Açu e Praia Grande, para casos ambulatoriais.

Atende aos 15  municípios do Vale do Ribeira e também a três municípios da Baixada Santista - Peruíbe, Mongaguá e Itanhaém.

Funcionando desde 29 de agosto de 2018, tem ampliado seus serviços gradativamente. Com cinco salas de cirurgia, leitos de Hospital Dia e UTI adulto e pediátrica, atende nas especialidades de anestesiologia, cirurgia cardiovascular, cirurgia geral, neurocirurgia/neurologia, ortopedia clínica e cirúrgica, cardiologia clínica e cirúrgica, otorrinolaringologia e bucomaxilo facial.

A unidade foi construída pelo Governo do Estado através do "Saúde em Ação", programa da Secretaria Estadual da Saúde em parceria inédita com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com investimento total de R$ 88 milhões.