Últimas Notícias

Em palestra aos educadores da Ilha, escritora Kiara Terra abordou a importância de se contar histórias, do olho no olho e da emoção que há na Educação


Em palestra aos educadores da Ilha, escritora Kiara Terra abordou a importância de se contar histórias, do olho no olho e da emoção que há na Educação


“Olhe nos olhos da criança, crie essa ponte com ela, porque a história é fazer um caminho juntos”, ensinou Kiara

Ilha Comprida- Com uma cortina de fitas coloridas e desiguais como cenário - que mostra as infinitas possibilidades das histórias das pessoas - ; com tubo de plástico que se transforma em tigre;  com humor e uma incrível habilidade para encantar as pessoas, a escritora e contadora de histórias Kiara Terra ministrou, na manhã de sexta 02/02 ,no Espaço Cultural Plínio Marcos, palestra para 200 gestores e educadores da rede municipal de ensino.

A palestra  foi acompanhada pela diretora do Departamento de Educação, Roberta França Fortes , e pela presidente do Fundo Social de Solidariedade, Juliana Peitl. 






O prefeito Geraldino Júnior compareceu à abertura do evento e agradeceu à presença da escritora na Ilha e sua contribuição para o aprimoramento dos educadores em sala de aula.

Kiara orientou aos educadores que superem os  lugares comuns,  afirmou que “certezas absolutas, às vezes, nos traem” ; destacou que o processo de educação é feito principalmente no “olho no olho”  e que não há nada mais gratificante e emocionante do que acompanhar o processo de aprendizagem e evolução de uma criança.

A escritora abordou a importância do ambiente escolar nos primeiros seis anos de vida, que é período onde a criança vai formar sua concepção de mundo e desenvolver para sempre a capacidade de contar histórias. Para ela, essa fase assemelha-se a um território “sagrado , onde está a formação, a raiz, a base, a definição de tudo o que será enquanto pessoa.

Kiara Terra explicou que nesse contexto, a escola é o maior espaço de construção do pertencimento de uma criança:  “Ela vai sentir que pertence à cidade, à família, à escola e principalmente, à ela mesma como contadora de sua própria história”. 






Para a escritora,  nessa tarefa de formar gente , é fundamental que os educadores evitem lugares comuns : “Há conceitos como “meninos não choram” ; “meninos não brincam com bonecas” , e eu pergunto “Se um menino não brincar com boneca,  como ele será pai um dia? Se não pode chorar, porque existe a lágrima?”. Para ela, o processo de sentir , de ser generoso, vem justamente dessa liberdade de emoções.

Kiara Terra é escritora (A Menina dos Pais Crianças editora Ática; Hocus Pocus: um pai de presente Cia das Letras) e contadora de histórias. 

Em 1998 criou o método de narração chamado A História Aberta que são narrativas colaborativas que estimulam a participação do público.