5 de maio de 2017

Reflexões de um branco: denegrindo mulato e pardo

,
Reflexões de um branco: denegrindo mulato e pardo


Adilson Roberto Gonçalves

Pássaro preto na gaiola./ Prisão do negro/...
Passo de um preto /.../passo preto de fuga /...
sociedade-gaiola / gaiola sem liberdade /...*

A epígrafe é dos primeiros versos escritos na adolescência, e foram motivados pela revolta do tratamento depreciativo e ofensivo dado a um cliente negro pelo gerente da loja em que trabalhava. A palavra que denuncia é também a que estereotipa. Três palavras serão analisadas com a preocupação reflexiva e de discussão, não linguística, filológica ou histórico-social.

Paradoxalmente, a maioria da população brasileira (51%, segundo último senso e com base na auto-declaração da chamada etnia) tem fisicamente incorporada alguma origem africana recente (dentro do último meio milênio), mas não está inserida na sociedade de forma proporcional. 

Após três séculos e meio de tráfico e escravidão, os negros foram deixados à própria sorte pelos rincões do país, constituindo a principal parte marginal e periférica da sociedade de hoje. Quando galgam posição de destaque, são vítimas de preconceito, verbalizado ou não.








O vocabulário discriminatório foi criado e manteve-se como uma das formas de estabelecer a distinção entre os antigos senhores e os atuais ainda-escravos de um sistema pós-escravocrata na letra da lei. O sistema, porém, era capitalista primitivo, com forte dependência da produção de mais-valia por parte dos que não tinham meios para reivindicar condições adequadas de trabalho. Nem, ao menos, sabiam ou entendiam o que seriam as relações de trabalho, uma vez que eram escravos. 

Assim, e como contínuo processo, o negro está pouco presente nas esferas políticas e governamentais, notadamente quando são espaços de decisão. 

O mesmo quadro se repete nas ciências, no meio empresarial, nos ambientes jurídicos e acadêmicos, e até nos esportes, quando se excetua o atleta e avalia-se o empresário e o dirigente. Porém, é marcante sua presença nos presídios, no subemprego, residindo nas áreas de maior vulnerabilidade social e de insegurança pública. Fica à parte dessa avaliação, a dúbia relação do negro com as artes.

O estatuto da igualdade racial (Lei 12.288, de 20/7/2010) procura mitigar parte dessas injustiças, ainda que imperfeito e de aplicação limitada à boa vontade das classes dominantes. Referindo-se ao negro, nessa lei foi estabelecido, em seu artigo 1º, parágrafo único, inciso IV, que a definição de população negra é a que se auto-declara preta ou parda.

É por meio de políticas afirmativas que um pouco de compensações pode acontecer. Essas políticas afirmativas se travestem, a meu ver, de dupla função: a) possuir o sentido de ações positivas, como sinônimo de afirmativas, que venham a beneficiar o grupo alvo; e b) afirmar uma História e uma herança escravocrata e de violência contra negros e seus descendentes. Um dos exemplos de aplicação dessas políticas é o estabelecimento de cotas para ingresso no serviço público (Lei 12.990, de 9/6/2014).

Voltando à questão de palavras que definem – ou buscam definir – esses grupos, pardo remete diretamente a sujo, indistinto, vulgar, mas é o termo oficial (Lei 12.288, de 20/7/2010) para designar aqueles que possuem a cor da pele fruto da miscigenação entre negros e outros, como brancos, asiáticos e indígenas. Na esmagadora maioria dos casos, essa origem, em algum momento, foi fruto de violência sexual. 

Em contraponto, papel pardo é o papel de qualidade inferior, com aparência não refinada, como é o papel branco. À noite todos os gatos são pardos: a cor torna-se indistinta, igualando todos os seres – no caso, os gatos como metáfora de pessoas. Os pardais são o último exemplo, de ave comum, vulgar, além da cor também não destacada.

No estabelecimento dos termos discriminatórios, está o “julgamento do falante”, que é expressão propositadamente ambígua. Os dois significados, segundo minha interpretação: a) julgamento que o falante faz, escolhendo as palavras que utilizará, consciente ou não de todos os significados que tenham; e b) julgamento feito pelos ouvintes daquilo que o falante diz, categorizando o modo de pensar do falante exclusivamente pelas palavras que utilizou.

A etimologia da palavra mulato está ligada a mula ou mulo, o ser estéril, originário do cruzamento entre jumento e égua ou jumenta e cavalo. O termo contém tanto a ideia de híbrido, como a de infértil. O mulo foi personagem importante na trilogia de ficção científica A Fundação, de Isaac Asimov, mutante que seria o responsável pela conquista e submissão da civilização. E também infértil.

Até o final da adolescência, o termo mulato não possuía a conotação preconceituosa definida mais recentemente. Da mesma forma, a música que foi o símbolo da censura carnavalesca de 2017 (O teu cabelo não nega) era avaliada distintamente. 

A brancos de pele, a ação do sol apenas fazia vermelhidão e queimaduras graves. 

A exposição à radiação solar, especialmente na praia, tinha o objetivo de bronzeamento, pois a aparência alva não era vista como saudável. 

A admiração por aqueles que já possuíam a tez mais escura fazia interpretar a letra da música de outra forma: estar ao lado de uma mulata não faria com que a pele ficasse mais escura, bronzeada, mais saudável, portanto. Mas poderia estar junto – obtendo seu amor –, como forma de compensar a incapacidade de se bronzear. O “pegar” da letra era traduzido no julgamento individual como algo benéfico, e não a conotação corrente de semelhança a doenças transmitidas por agentes microbiológicos.

Por meio da química, sabemos que quanto mais branco o produto, mais sujo fica o ambiente. Açúcar e papel são dois exemplos dos mais significativos. O tornar negro, preto, escuro resulta nos verbos denegrir, pretejar e escurecer. Enquanto os dois últimos são usados quase que exclusivamente em relação a cor e luminosidade, denegrir perpetuou a conotação de tornar algo sujo, feio, maculado. Passou a ser condenado, dentro da discussão sobre preconceitos e das citadas políticas afirmativas. Porém, a origem da palavra não carrega o negro como critério social, e o rótulo de politicamente incorreto advém do julgamento do falante, muito mais pelo segundo significado apresentado anteriormente (julgamento pelos ouvintes).

Cegueiras em texto e contexto / feita a interligação / séculos se passaram a pretexto, / a escravidão, não**.

Palavras usadas não refletem, necessariamente, atitudes adotadas. Mesmo que haja controvérsias no significado existente ou atribuído às denotações correntes, é importante a discussão da origem das expressões, para uma reflexão constante, e melhor entendimento do que somos e para onde vamos. Injustificável é, pois, o país que tem como base social o teor de melanina na pele das pessoas.

Adilson Roberto Gonçalves, doutor em química pela Unicamp, livre-docente pela USP e pesquisador do Instituto de Pesquisa em Bioenergia da Unesp-Rio Claro

*“Pássaro Prisão”, In Painel Brasileiro de Novos Talentos, vol. 20, 1ª ed., Câmara Brasileira de Jovens Escritores, 2003, p.8.


**“Macondo no Maranhão” In Cento e Noventa Poemas para Maria Firmina dos Reis, Dilercy Aragão Adler e Leopoldo Gil Dulcio Vaz (orgs.), São Luís, ALL, 2015, p. 22.








.
Comentários
0 Comentários
0 comentários to “Reflexões de um branco: denegrindo mulato e pardo”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Google+

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
22 a 29 de maio

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida

Receitas do Vale

Receitas do Vale

Sites Oficiais


Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]