17 de maio de 2017

Quem realmente comanda o Brasil?

,

Quem realmente comanda o Brasil?


Desde que os primeiros hominídeos desceram das árvores e começaram a cozinhar a carne dos animais que caçavam, marcando, de acordo com alguns cientistas, o início do que chamamos de vida em sociedade e do desenvolvimento da lógica humana que, com a sua ação devastadora, transforma o meio natural que nos cerca, uma questão delicada nunca deixou de ser colocada: quem deve comandar?

            Naturalmente, como acontece com outros animais, o mais forte geralmente detém o poder, sendo substituído quando morre naturalmente ou quando é morto por outro mais forte do que ele. Com o desenvolvimento da vida em sociedade, porém, deixou de ser tão simples a associação entre a força física e o poder. 

Com a ampliação da técnica de fabricação de armas ao longo dos séculos, passou-se a atribuir o poder, grosso modo, ao detentor do maior número de armas ou aos que sabiam comandar e subjugar grupos de homens armados.









            A lógica humana, porém, veio ao mundo para complicar as leis que regem as relações naturais. Matar ou ser morto, portanto, deixou de ser o único fator a determinar quem detinha o poder. 

A nossa razão nos leva continuamente a querer conhecer sempre mais e a especular continuamente. Entre outras coisas, passou-se a especular sobre o destino tanto da alma do fiel, nosso amigo, que por nós combateu, como do “infiel”, que tentou subverter a nossa ordem, espalhando outras verdades, somente suas, contrárias às que julgávamos verdades únicas e sacrossantas. É aí que entra o elemento religioso para complicar ainda mais.
            
Só para ter uma ideia, na Idade Média especulava-se sobre o destino da alma do mítico Carlos Magno, isto é, se ela deveria ir para o inferno, pelos povos que ele subjugou e pelos inocentes que mandou matar, ou para o paraíso, pela grandeza das suas ações. Convencionou-se, enfim, que ela poderia ir para um destino intermediário, isto é, para o purgatório.

            Sempre na Idade Média, mais especificamente na Baixa Idade Média, não faltaram debates acirrados entre filósofos, teólogos e membros da alta cúpula da igreja. Enquanto Ockham (c.1280 – c.1349), por exemplo, afirmava que o poder dos que governam emana diretamente de Deus, mas deveria ser submetido a uma escolha popular, o papa Bonifácio VIII (c. 1235 – 1303), com a bula Unam sanctam, acreditava que o poder temporal (dos governantes) deveria ser completamente submetido ao do pontífice. 

Na prática, essa bula visava a justificar as ingerências do papa nos assuntos políticos. Por essa razão, e por ter sido uma vítima direta das interferências papais, Dante Alighieri não tinha dúvidas de que a alma de Bonifácio VIII encontraria um lugar adequado no “Inferno”!

            Ao longo dos séculos, em sociedades sempre mais urbanizadas e com populações sempre maiores, tudo isto aliado ao desenvolvimento da ciência empírica, a partir do século XVII, e da tecnologia ligada às armas e, consequentemente, ao aparelhamento dos exércitos, ficou cada vez mais difícil designar e consolidar os grupos destinados ao exercício do poder. Subjugar as massas e mantê-las “calmas”, dando-lhes a sensação de bem-estar e, quando possível, assegurando-lhes períodos sempre mais longos de relativa paz, tornou-se uma tarefa sempre mais complicada.

            O surgimento da chamada “democracia burguesa”, com a Revolução Francesa e, sobretudo, com a independência dos Estados Unidos, buscou dar respostas ao questionamento de Ockham (e de outros). O poder supostamente emanaria não mais diretamente de Deus, sendo apenas corroborado pela vontade popular, mas dependeria direta e unicamente da escolha livre e legítima do voto popular.

            Não é difícil, porém, imaginar, o quanto é relativo o poder que emana das urnas. Os próprios candidatos a serem escolhidos nem sempre são os que poderiam representar a vontade popular. 

Além do mais, a escolha dos futuros governantes cada vez mais ficou sujeita, com o desenvolvimento do capitalismo, aos detentores do capital, outrora banqueiros e industriais, hoje principalmente investidores e especuladores financeiros, sem contar a ingerência e a influência direta da mídia, sobretudo a partir do século XX.

            Enfim, trazendo o discurso para o contexto atual brasileiro, quem realmente detém o poder? 

Quais forças regem a economia e as finanças que nos afetam diretamente? Pelo que se tem visto, considerando verdadeiras as denúncias cotidianamente apresentadas pela mídia, o Brasil foi governado nos últimos quinze ou vinte anos por poderosas empreiteiras que tencionaram realizar os sonhos de grandeza e de progresso de grupos ligados a um partido caracterizado por atitudes populistas, endividando o Estado e concedendo subsídios e auxílios aos mais desfavorecidos que, inicialmente, podem até ter amenizado o quadro de miséria de muitas regiões brasileiras, mas que não constituíram ações de efetiva e duradoura mudança.

            O poder no Brasil atual, portanto, não emana de governantes escolhidos diretamente pela graça divina que ilumina os eleitores, tampouco da vontade popular que é constantemente obrigada a escolher entre duas facetas, só aparentemente opostas, de representantes das elites que se perpetuam no comando, sempre sujeitos à corrupção que a tudo envolve, sufocando as poucas iniciativas realmente inovadoras. 

Enfim, no atual governo-tampão, como nos governos anteriores, quem realmente exerce o poder no Brasil está invariavelmente ligado ao empreendedorismo amarrado ao Estado, sem o qual não sobrevive, tendo como consequência uma inevitável relação de compra e venda, em que o vil metal aniquila facilmente consciências, ideologias e fés de todos os gêneros. As eleições não são realizadas para corroborar a vontade popular, mas para dar uma roupagem legítima a uma forma de organização que não existe sem a corrupção, dentro da qual é indiferente a concessão ou de não de auxílios-esmolas aos mais desfavorecidos.

            Nessa situação crítica, para que haja uma verdadeira mudança há duas possibilidades: uma sublevação popular com a vitória dos grupos realmente dispostos a mudar o país ou uma intervenção divina, supostamente iluminando as mentes dos eleitores e fazendo surgir o predestinado por Deus para um bom e duradouro governo. 

Que me desculpem os que ainda acreditam em revoluções ou os que possuem fé religiosa, mas não acredito em nenhuma das duas possibilidades. Não vejo como e não acho necessário indicar possíveis caminhos para o Brasil no atual momento. 










Só nos resta, portanto, acompanhar o andamento da carruagem e confiar na aplicação implacável das leis e numa melhora urgente das instituições educacionais e culturais em geral, sem as quais nunca haverá verdadeiro progresso.



Sérgio Mauro é professor da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp de Araraquara.



.
Comentários
0 Comentários
0 comentários to “Quem realmente comanda o Brasil?”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Google+

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
20 a 27 de março

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida

Receitas do Vale

Receitas do Vale

Sites Oficiais


Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]