24 de abril de 2017

Trump, Brexit, Dória, Venezuela, Le Pen e o mundo globalizado

,
Trump, Brexit, Dória, Venezuela, Le Pen e o mundo globalizado


No final da tarde de 23 de abril, os jornais de todo o mundo noticiaram o resultado do primeiro turno das eleições francesas: Marine Le Pen e Emmanuel Macron disputarão no próximo dia 7 de maio o segundo turno pela presidência da França e, de acordo com alguns jornais, o destino da Europa. Pela primeira vez desde a reforma constitucional de 1958, os partidos Socialista e Republicano ficaram de fora da disputa pelo pleito presidencial francês.

Tão logo os resultados foram divulgados, o jovem centrista Macron, de apenas 39 anos, recebeu apoio de candidatos derrotados, em uma clara tentativa de se formar uma “frente republicana”, coalisão de esquerda, centro e direita versus a extrema-direita que Marine Le Pen e a Frente Nacional – fundada por seu pai, Jean Marie Le Pen – representam, classe política acusada de xenofobia e protecionismo.

Le Pen viabiliza sua chegada ao poder ao criticar o atual governo e mostrar caminhos que levam ao lado oposto: o nacionalismo econômico; a proposta batizada de “Frexit”: um referendo que poderia levar a França a abandonar a União Europeia e a zona do Euro, a exemplo do que aconteceu na Inglaterra; a repressão ao que chama de “perigos islâmicos”. Dos possíveis desdobramentos das propostas de Le Pen, dizem os especialistas, está o fim da União Europeia.









É no mínimo curioso observar a guinada à direita que vem sendo dada em todo o cenário político mundial. Donald Trump, presidente americano com pouco mais de 100 dias de governo já parece ter mostrado, com clareza suficiente, sua plataforma de governo: nacionalista, cujo discurso a todo momento promete “devolver o poder ao povo”, clara menção à dicotomia nós versus eles, como se o governo anterior tivesse usurpado os americanos, enfraquecido a hegemonia americana e, por isso, é dele a responsabilidade de fazer com que os Estados Unidos assumam novamente seu lugar no cenário internacional – “Make America great again”, vem repetindo ele à exaustão desde sua campanha.

Na Venezuela, o sonho socialista parece naufragar em um país carente de tudo: após o povo eleger representantes oposicionistas ao governo, Nicolás Maduro – o sucessor de Hugo Chávez, tentou manipular o Supremo Tribunal Federal a dissolver o Congresso e o que se viu foi uma sequência de acontecimentos que levaram o país à beira do caos. Não fosse a pressão exercida pela comunidade internacional, tal medida não teria sido revertida.

A repressão à livre manifestação e a violência nas ruas da Venezuela, de certa forma, são ingredientes já esperados na receita explosiva que contém, ainda: confisco de propriedade privada de multinacionais como a GM, carência de medicamentos, comida e produtos de higiene pessoal. Com milhares de manifestantes indo às ruas de Caracas, pouco a pouco a resistência da cidade dividida vai cedendo, ainda que tal conquista já tenha custado a vida de pelo menos 20 jovens nas últimas semanas. Caracas não tem e nunca teve um muro com o de Berlim, mas a divisão entre a “cidade leste” e a “cidade oeste” foi até bem pouco tempo preservada pela força policial, que por fim, acabou cedendo à força do povo.

A escassez de produtos que compõem o rol mínimo para a sobrevivência digna ainda é uma realidade. Os residentes na fronteira entre Venezuela e Colômbia conseguem, de tempos em tempos, com a abertura da fronteira por algumas horas, abastecer minimamente suas casas, privilégio de uma minoria geograficamente favorecida.

Em todos os casos até aqui citados, o povo vem tentando, por meio do voto, renovar os governos, deixando as propostas mais à esquerda do espectro político para trás: nos Estados Unidos, elegeram Trump, em oposição às políticas de Obama; na França, o segundo turno entre um candidato liberal e um nacionalista revela que o povo francês quer renovação e, na Venezuela, as urnas deram o recado, ainda que o governo tenha buscado manobras para reverter isso.

No Brasil, em meio à avalanche de denúncias e processos contra políticos presentes no cenário do poder desde sempre, quem vem se destacando é o prefeito que refuta o rótulo de político e se autodenomina gestor: João Dória Jr.

O empresário eleito com 55% dos votos para governar a maior cidade – e o maior orçamento municipal do país, vem se destacando pelos seus feitos, e por todo o marketing que os enaltece: os primeiros 100 dias de gestão foram marcados pelo sucesso de projetos como “São Paulo Cidade Limpa”, “Corujão da Saúde” e as parcerias entre poder público e iniciativa privada.

Recentemente cotado pela imprensa como possível candidato ao Planalto, Dória pode vir a ser o Macron brasileiro nas eleições de 2018: a alternativa tupiniquim à renovação, deixando para trás caciques que chafurdam na lama da corrupção, não permitindo na Terra Brasilis a ascensão de uma extrema direita.
 
João Paulo Vani é presidente da Academia Brasileira de Escritores. Aluno de doutorado do Programa de Pós-graduação em Letras da Unesp/SJRio Preto, é atualmente pesquisador visitante na University of Louisville, nos Estados Unidos.





.
Comentários
0 Comentários
0 comentários to “Trump, Brexit, Dória, Venezuela, Le Pen e o mundo globalizado”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Google+

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
22 a 29 de maio

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida

Receitas do Vale

Receitas do Vale

Sites Oficiais


Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]