10 de março de 2017

Febre amarela e Dia da Mulher

,
Febre amarela e Dia da Mulher


                                              João Baptista Herkenhoff

          Este artigo trata de dois temas opostos: febre amarela é morte, mulher é vida.

          Comecemos falando da febre amarela.

          Uma moléstia, que se supôs erradicada desde 1907, pelo menos em parte do território brasileiro, volta a assustar. Trata-se da febre amarela.
          As pessoas estão procurando, espontaneamente, os postos de vacinação, a fim de defender-se da doença mortal. Em nosso Estado, milhares de pessoas já foram vacinadas e outras milhares aguardam sua vez de receber a agulhada que salva.

          Oswaldo Cruz, o maior sanitarista na História do Brasil, pretendeu estabelecer a vacinação em massa para combater os surtos de varíola, doença que estava fazendo milhares de vítimas.









          Os jornais da época colocaram-se contra Oswaldo Cruz. A Escola Militar da Praia Vermelha levantou-se contra a pretendida vacinação compulsória.

          Enquanto no Brasil o grande Oswaldo Cruz era massacrado, fora de nossas fronteiras o mundo científico rendia homenagens ao brasileiro que nasceu no interior do Estado de São Paulo, na pequenina São Luís de Paratinga.

          Argumentava-se que ninguém pode ser vacinado contra a própria vontade. Isto feriria a liberdade individual. Esqueceram-se os opositores da vacinação que as doenças endêmicas colocam em risco as pessoas em geral. Mais que afronta à liberdade individual de alguns, isto afronta o direito de todos à vida.

          Como a História caminha a passos vagarosos! Como é difícil vencer os preconceitos! Como é penosa a estrada dos pioneiros!

          Como seria um ato de Justiça que todo cidadão, ao ser vacinado, agradecesse em silêncio: “obrigado, Oswaldo Cruz.”

          Ao homenagear Oswaldo Cruz, quero relembrar dois outros grandes sanitaristas brasileiros: Carlos Chagas, descobridor da doença de Chagas, e Adolpho Lutz, que descobriu a pasteurização do leite.

          Já que acabamos de celebrar o Dia Internacional da Mulher, não podemos omitir a homenagem às mulheres do Brasil.

Oito de março lembra um episódio trágico: as 129 mulheres que morreram queimadas, dentro de uma fábrica de New York, porque reivindicavam condições dignas de trabalho.

Mas não queremos relembrar New York e esquecer Leopoldina, em Minas Gerais, onde nasceu Jerônima Mesquita.

Num tempo em que as mulheres eram relegadas a uma situação de completa inferioridade, Jerônima Mesquita lutou pelo reconhecimento do valor da condição feminina. Conclamou mulheres à luta, desenvolvendo a primeira ação coletiva e organizada, em favor dos direitos da mulher no Brasil.

Viva Oswaldo Cruz! Viva Jerônima Mesquita! Viva a dignidade humana! Viva a luta pela Justiça e por um mundo melhor! Viva a igualdade entre homens e mulheres!

João Baptista Herkenhoff é Juiz de Direito aposentado (ES), palestrante e escritor. E-mail: jbpherkenhoff@gmail.com


Comentários
0 Comentários
0 comentários to “Febre amarela e Dia da Mulher”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

Mobile

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]