14 de dezembro de 2016

Google se instalará em Cuba, mas conectividade à Internet não será aumentada

,
Google se instalará em Cuba, mas conectividade à Internet não será aumentada


Apesar de não ser amplamente difundido na ilha de Cuba o acesso à Internet, muitos de seus cidadãos há anos interagem com conteúdo internacional por meio do “el paquete semanal” (trad.: “o pacote semanal”). 

Essa coleção de notícias, revistas, músicas, episódios de seriados, novelas brasileiras, animações japonesas, e até mesmo de anúncios, é entregue nas casas de seus assinantes dentro de um dispositivo externo de gravação por um preço que pode variar de 1 a 10 dólares. 

Uma vez em posse dos arquivos, os compradores podem por sua vez cobrar um preço reduzido para passá-los para vizinhos e familiares ou compartilhar o conteúdo gratuitamente, criando algo como uma Internet offline.










Um dos países com menor índice de conectividade do mundo, Cuba conta com uma parcela ínfima de sua população, estimada na casa dos 10%, com acesso a alguma forma de Internet que além de tudo é censurada pelo governo. Conexões a partir de residências são quase inexistentes, e a velocidade média de acesso disponível é equivalente à que o Brasil possuía na década de 1990. 

Apenas hotéis de luxo e pontos de acesso de alto custo possuem linhas rápidas como as que imaginamos como definidoras da Internet no século vinte e um.

Com a gradual aproximação de Obama ao país e com a morte de Fidel Castro, mudanças em certos setores da ilha já eram esperadas, particularmente no que é relativo à tecnologia, e os primeiros efeitos – ironicamente talvez os últimos caso Trump mude drasticamente a política externa estadunidense – já começam a ser sentidos. No dia 12 de dezembro de 2016, a Google fechou um acordo com a monopolista estatal das telecomunicações, a Etecsa, e combinou a instalação de servidores da empresa no país.

Enquanto inicialmente o movimento pode parecer de interesse para os cidadãos cubanos, não há qualquer tipo de provisão para a expansão do acesso à rede. Esses servidores servirão para aumentar a velocidade e diminuir a latência nessa região em relação a produtos da Google, como o Gmail ou o Youtube, mas de modo geral o estado da Internet não deve ser afetado para muito além da possibilidade de melhor visualização de um vídeo por parte de uma parcela da população já privilegiada com tecnologia de ingresso à Internet.

Por certo, esse não é o limite das ambições da empresa em território cubano. Poderíamos entender essa como uma primeira incursão, visando estabelecer território antes da concorrência, de modo que assim que o governo sinalizar interesse na expansão de sua infraestrutura de telecomunicações, a Google já está em posição ótima para fazer o trabalho.
Também não é nem um pouco desprezível o fato de que o governo tem boas razões para temer a entrada formal da Internet em seu território, em vista do projeto de espionagem global encampado pelos Estados Unidos e denunciado pelo agora refugiado Edward Snowden. É difícil de acreditar que os EUA não se aproveitariam dessa infraestrutura aumentada para fazer um monitoramento intensivo das atividades em Cuba, e podemos ter como certo o fato de que esse fator pesa no cálculo do governo.

De qualquer maneira, esse é um passo expressivo nas relações interamericanas, e aponta para a ideia de que a política externa de Obama efetivamente está conseguindo gerar repercussões na ilha com a qual os EUA possuem problemas há diversas décadas. Resta saber se Trump, autoproclamado “homem de negócios”, vai saber se aproveitar dessa nova perspectiva, em despeito da pressão que sofreria de sua base de apoio.


Mark W. Datysgeld é bacharel em Relações Internacionais e atualmente mestrando na mesma área pelo Programa de Pós-Graduação San Tiago Dantas (UNESP, UNICAMP, PUC-SP), especializado nos temas da Revolução Digital e Governança da Internet. É coordenador da área de “Redes, tecnologias e modernidade-mundo” do Núcleo de Estudos e Análises Internacionais do IPPRI/UNESP (NEAI). É também criador do curso Governance Primer, iniciativa gratuita de ensino de Governança da Internet na América Latina.









Comentários
0 Comentários
0 comentários to “Google se instalará em Cuba, mas conectividade à Internet não será aumentada”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

Mobile

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]