12 de dezembro de 2016

100 anos de pandeiros, cuícas, malandros e poesia

,
  Ernesto dos Santos, conhecido como Donga
 Ernesto dos Santos, conhecido como Donga


Em 27 de novembro de 1916, o carioca Ernesto dos Santos, conhecido como Donga (1889-1974), registrou uma canção que teria sido composta, nos meses anteriores, numa casa na Praça XV. 

No local, encontravam-se músicos e literatos, em rodas de percussão, violas e flautas- um terreiro de candomblé, aos cuidados de Hilária Batista de Almeida, baiana de Santo Amaro da Purificação, sacerdotisa Ketu de Oxum, a Tia Ciata (1854-1924). Donga e Tia Ciata se tornaram personagens de uma narrativa, agora centenária, de um ritmo e um estilo de vida- o samba.








No 20 de janeiro seguinte, a Casa Edison, através do selo Odeon, lançou em 78 RPM a gravação de “Pelo Telefone”, interpretado por Manuel Pedro dos Santos, o Baiano (1870-1944), também de Santo Amaro da Purificação. No início da gravação o locutor identifica- “Pelo Telefone, Samba Carnavalesco gravado por Baiano e o Corpo de Coro, para a Casa Edison Rio de Janeiro”, e logo após se ouvem os versos célebres “O chefe da polícia pelo telefone manda me avisar/ Que com alegria não se questione para se brincar”- porque foram censurados- no original, “O chefe da polícia pelo telefone manda me avisar/ Que na Carioca tem uma roleta para se jogar”, fazendo referência a um episódio causado pelos repórteres do jornal A Noite, em 1913, quando foi noticiado que existia um cassino clandestino no centro do Rio e o delegado nada fez- o problema é que a notífica era falsa e foi “plantada” justamente para averiguar o nível da falta de compromisso dos agentes da lei em investigar certas práticas criminosas na cidade. O gênero surge já polêmico, moderno, crítico e afiado, bem como divertido e arrojado.

No anúncio da música e na letra se ouve claramente a palavra “samba”- de origem incerta, o termo designa um gênero musical complexo, de raízes africanas, uma dança e um jeito de viver. Das proximidades da Praça XV- a chamada Pequena África do Rio de Janeiro- saíram os primeiros compositores , intérpretes e músicos do samba. Muitos baianos- muitos fora dos padrões culturais enaltecidos pela elite branca. Trabalhadores de diversos ofícios, foras-da-lei, os sambistas sofrerão os efeitos dos bota-abaixos na então capital brasileira. 

Quando das demolições do Morro do Castelo e mais tarde de todo o entorno da Praça XV para a construção das grandes avenidas, nas décadas seguintes, as agremiações de músicos, dançarinos e artistas irão para outros bairros. Não há mais a casa de Tia Ciata nem outros lugares identificados como importantes para o desenvolvimento do samba, mas a Pedra do Sal, na região portuária, conservou a memória dos pontos de encontro dos sambistas do passado.

Muitos e muitos nomes surgem na lembrança nesta hora das homenagens do centenário- como os de Angenor de Oliveira, o grande Cartola (1908-1980), de Noel Rosa  (1910-1937) e suas histórias engraçadas na Vila Isabel, assim como as de sua maior intérprete Aracy de Almeida (1914-1988),  a irreverência de Bezerra da Silva (1927-2005),  a gratidão que os paulistanos sentem por Adoniran Barbosa (1910-1982) e seu lirismo e a voz e o violão de João Gilberto. Considerado uma das grandes expressões brasileiras, o Samba hoje alcançou o status de Arte- do espetáculo grandioso da Marquês de Sapucaí à simplicidade de uma roda de pagode num churrasco com amigos, o centenário Samba confirma os versos de Paulinho da Viola- ainda contamos as histórias dos grandes mestres, ainda se bebe da chama acesa.

Paula Vermeersch é docente de História da Arte e da Arquitetura na Faculdade de Ciências e Tecnologia- Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, câmpus de Presidente Prudente.
Comentários
0 Comentários
0 comentários to “100 anos de pandeiros, cuícas, malandros e poesia”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Google+

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
22 a 29 de maio

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida

Receitas do Vale

Receitas do Vale

Sites Oficiais


Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]