1 de novembro de 2016

O papel da ciência no futuro

,
   
O papel da ciência no futuro


Vanderlan da S. Bolzani
                              
Temos acompanhado com surpresa e angústia a evolução dos acontecimentos políticos na área de ciência e tecnologia no país. Não poderiam ser outros os sentimentos dos cientistas brasileiros.

Ficamos atônitos frente a sucessão de fatos que mostram a clara perda de importância política do sistema de fomento à pesquisa nacional em um novo arranjo administrativo do recém-criado MCTIC.

O mais recente desses fatos é a anunciada decisão de manter o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) subordinados a uma “Coordenação Geral de Serviços Postais e de Governança e Acompanhamento de Empresas Estatais e Entidades Vinculadas.”

Somos confrontados com o argumento de que essa decisão atende à necessidade de racionalização da máquina administrativa e de que não implicará em perda de recursos ou de efetividade das políticas dessas agências.

Dada a dimensão das tarefas e responsabilidades atribuídas a elas, e considerando-se seu papel estratégico para um projeto de desenvolvimento do país, fica difícil imaginar que poderão cumprir essa missão como órgãos de quarto nível dentro da estrutura do recém-criado MCTIC. Seria abrir mão do bom senso acreditar que a necessária independência de decisões desses órgãos e sua capacidade de atuação será a mesma em tal situação.

A evolução institucional da área de CT&I no país é recente. Ela foi construída, como se sabe, devido ao trabalho articulado de cientistas e políticos que enxergavam ser o conhecimento gerado num ambiente científico robusto, o caminho mais curto para o desenvolvimento nacional.

Foram pontos fundamentais nesse esforço a criação e estruturação institucional do CNPq (Lei 1310, 15/01/1951), da CAPES (Decreto 29741, em 1951), do BNDE (Lei .628, 20/06/1952), da FUNTEC (Resolução 146, 29/05/1964), FINEP (Decreto-Lei no 719, 1969) e MCT (Decreto 91.146, em 15 de março de 1985).

O sistema de C&T segue uma trajetória irregular, mas insistente que se configurou em um projeto de desenvolvimento com base na geração de conhecimento científico e tecnológico.

A “insistência” da sociedade brasileira em optar por esse caminho não se apoia em decisões de momento e sim em um longo processo que tem como marco decisivo a criação do CNPq, em 1951.

Não foi por acaso que a implantação do MCT, 34 anos após a sua fundação em 1985, como parte de uma nova etapa na vida democrática do país, foi saudada por toda a comunidade científica e lideranças políticas como avanço de grande significado.

Longos períodos de escassez de recursos, ou mesmo a perda do status de ministério do MCT, que se tornou uma secretaria durante o governo de Fernando Collor, não impediram a retomada dessa evolução.

O papel essencial das agências (CNPq, FINEP, AEB, CNEN) como formuladoras e articuladoras de políticas estratégicas acabou por prevalecer. Hoje, os resultados do modelo são visíveis nos ganhos obtidos, mesmo considerados os erros em que essas políticas possam ter incorrido.

O saldo é claramente positivo: junto com outras iniciativas, permitiu que se alcançasse, em CT&I, um patamar mais do que satisfatório para um país jovem que convive com tantas limitações, e assegurou forte interlocução do setor com os países desenvolvidos. 

O recado expresso na redução de importância das agências não poderia ser mais desanimador.

É oportuno não esquecer a mensagem do prêmio Nobel de Química de 1908, Ernest Rutherford, dirigida a seus compatriotas ainda no início do século passado: “A ciência está destinada a desempenhar um papel cada vez mais preponderante na produção industrial.

E as nações que deixarem de entender essa lição hão inevitavelmente de ser relegadas à posição de nações escravas: cortadoras de lenha e carregadoras de água para os povos mais esclarecidos”.

Com a visão privilegiada de um dos artífices das mudanças científicas que estavam ocorrendo no mundo, ele não tinha dúvidas sobre o lugar destinado a quem ignorasse o papel da ciência no futuro.

Vanderlan da S. Bolzani é diretora da Agência Unesp de Inovação e Vice-Presidente da SBPC - Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência.


Comentários
0 Comentários
0 comentários to “O papel da ciência no futuro ”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Google+

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
22 a 29 de maio

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida

Receitas do Vale

Receitas do Vale

Sites Oficiais


Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]