Receba Grátis Noticias do Vale do Ribeira.
9 de novembro de 2016

Butantan inicia pesquisa para descobrir remédios contra o vírus zika

,
Butantan inicia pesquisa para descobrir remédios contra o vírus zika


Compostos químicos serão triados de forma ágil; grupo de Ação Rápida para Doenças Emergentes do Instituto também recebeu investimento internacional para estudar doenças tropicais

O Instituto Butantan, um dos maiores centros de pesquisas biomédicas do mundo, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, iniciou pesquisa para descobrir remédios que possam ser eficazes no tratamento de pessoas infectadas com o vírus zika.
O estudo, a cargo do Grupo de Ação Rápida para Doenças Emergentes do Laboratório Especial de Inovação e Desenvolvimento Industrial do Instituto Butantan, utiliza a estratégia conhecida como reposicionamento de fármacos e o método de High Content Screening (HCS) ou Triagem de Alto Conteúdo, uma tecnologia que permite que coleções de compostos químicos sejam triadas de forma rápida contra o vírus em um ambiente fisiológico, com células humanas infectadas.

O processo favorece a descoberta de medicamentos que tenham atividade contra o vírus diretamente, sem a necessidade validar previamente o alvo molecular, o que pode levar vários anos.

Os pesquisadores envolvidos já realizaram um trabalho semelhante no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, com investimento da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), em 725 medicamentos aprovados pelo Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos, e encontraram 29 substâncias com ação sobre o vírus. Os resultados foram publicados recentemente na revista científica F1000Research.

“Ao analisarmos fármacos que estão ou já estiveram no mercado, diversos aspectos são conhecidos e com essas informações é mais fácil e rápido desenhar protocolos de dosagem e administração para testes em modelos animais, ou até mesmo em humanos no combate ao zika vírus. Por outro lado, os medicamentos descobertos podem servir como ponto de partida para o desenho de novas moléculas para terapia antiviral”, explica Lucio Freitas-Junior, coordenador da pesquisa.

Na metodologia utilizada, a célula humana é infectada com o vírus zika por 72 horas e é simultaneamente exposta à ação dos fármacos, a fim de determinar a capacidade de inibirem a infecção. Esta propriedade é chamada de atividade antiviral, que é comparada com a molécula controle, interferon α 2A (IFNα2A), uma proteína humana que faz parte da resposta imune antiviral do organismo e que também apresenta alta atividade in vitro contra diversos vírus, inclusive o zika.

O estudo realizado no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais utilizou um vírus isolado na região de Recife (PE), associado à epidemia de microcefalia no nordeste brasileiro, e também levou em consideração a atividade dos fármacos sob aspectos como a distribuição e a metabolização no organismo.

Dentre os compostos descobertos, os que melhor apresentam atividade sobre o zika são os fármacos que são ou foram utilizados no tratamento em diferentes condições, com destaque para o palonosetron, um antiemético para o tratamento de náusea induzida por quimioterapia de câncer, considerado o medicamento mais promissor descoberto no estudo, com alta eficácia contra a infecção pelo vírus zika e propriedades de distribuição e metabolização no organismo que podem favorecer o tratamento da zika.

O grupo trabalha há 10 anos com essa tecnologia aplicada à descoberta de fármacos para doenças tropicais e é um dos líderes mundiais nesse tipo de aplicação.

Reconhecimento internacional

Os pesquisadores receberam US$ 50 mil da Medicines for Malaria Venture (MMV), organização suíça, para estudos com doenças tropicais, como zika, dengue, chikungunya, doença de Chagas, leishmaniose e verminoses.

O investimento visa patrocinar pesquisas com o Pathogen Box, uma coleção de 400 diferentes compostos moleculares ativos contra os agentes causadores de doenças tropicais, oferecida sob demanda e sem custos para cientistas de todo o mundo, e resulta da chamada competitiva “Pathogen Box Challenge Grants”, concedida pela MMV, voltada para a submissão de projetos de cientistas de regiões endêmicas (Endemic-Region Challenge Grants).

Essas doenças afetam mais de um bilhão de pessoas em todo o mundo. Algumas delas ainda não contam com opções de tratamento; em outros casos, os medicamentos existentes podem apresentar pouca eficácia e até contraindicações e efeitos colaterais graves, sendo necessário descobrir novas opções de tratamento.
Comentários
0 Comentários
0 comentários to “Butantan inicia pesquisa para descobrir remédios contra o vírus zika”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

Feibanana

Feibanana 2017

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
20 a 27 de março

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Google+
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida
DMCA

Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Receitas do Vale

Receitas do Vale

pagead

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]