26 de outubro de 2016

O Bônus Demográfico Desperdiçado

,
O Bônus Demográfico Desperdiçado

 

É necessário voltar ao tema mercado de trabalho e o desemprego por que A Folha de S. Paulo, em meados de setembro, informa em manchete na primeira página: “Brasil perdeu 1,5 mi de vagas de trabalho no ano passado (2015). 

O cadastro do Ministério do Trabalho demonstrou que o fechamento de vagas em âmbito nacional atingiu 1,5 mil de postos de trabalho e ao mesmo tempo mostra que em janeiro deste ano fecharam-se mais 100 mil vagas com carteira assinada sendo este o pior valor em sete anos.  

O   que parece ser mais importante neste trabalho é o detalhe pois mostra vários fatos relevantes como informar que foi o trabalhador jovem o mais afetado pelos cortes em 2015. Do total de vagas encerradas, 76,2% concentraram-se na faixa etária de 18 e 24 anos e os que continuaram trabalhando tiveram queda de 2,6% em relação a 2014 resultando, em média, R$ 2 655,60 por mês. 

Os dados fazem parte da Rais (Relação Anual de Informações Sociais) que leva em conta todos os vínculos formais; além de celetistas também os temporários, estatutários e avulsos ou terceirizados. 

Para economistas, os jovens sofrem mais porque são a parcela de força de trabalho menos qualificada, menos experientes e menos produtiva. Na outra ponta houve uma  pequena expansão – 1,4% –  na faixa de 50 a 64 anos. 

Destas pessoas muitos já haviam se aposentado mas voltaram à atividade pressionados pela perda de renda de outros familiares. Sabe-se, que significativa parcela de idosos ainda são os maiores provedores  das respectivas famílias sustentando filhos, netos que não conseguem empregos. 

A Folha de S Paulo publica em 13/10/16 algumas notícias de acordo com o IBGE sobre emprego e desemprego no segundo trimestre deste ano com números mais desalentadores. Além dos 12 milhões de desempregados já conhecido acrescenta- se mais 4,8 milhões de pessoas subocupadas e 6,2milhões que estão em idade produtiva e poderiam estar trabalhando mas não estão por causa da crise.

Alguns analistas e altas personalidades do governo dizem que estamos vivendo um tempo muito bom por quê a proporção de pessoas em idade ativa é alta em relação aos seus dependentes. Este fato é dito Bônus Demográfico e isto ocorre por duas razões mais importantes, a saber: Queda na taxa de fecundidade que era maior de seis filhos por mulher até por volta de 1960 e foi se reduzindo até chegar a  1,9 em 2010 de acordo com o IBGE. 

Aqui, quero fazer um comentário: as estatísticas demonstram o tema em números e não levam em conta a natureza do fato que está sendo demonstrado. Para o leigo deve ficar esquisito dizer que uma mulher deu a luz a 1,9 filhos. Acredito ser mais didático tratar estes casos em números absolutos. Neste exemplo teríamos: 10 mulheres deram a luz a 19 filhos o que pode significar que umas podem ter 2 ou 3 filhos e outras apenas um. Simples, não é ?  Bem diferente do que ocorria no passado em que 10 mulheres davam a luz a cerca de sessenta pessoas. 

A segunda razão é uma consequência da primeira. Reduzindo o número de crianças ocorre o aumento do número de pessoas em idade de trabalhar, é o aumento da PEA (População Economicamente Ativa) significando que a razão de dependência está em declínio e aquela explosão populacional que o País conheceu até ha pouco não se sustenta mais. 

Esse declínio, mantendo-se a tendência atual, deverá atingir o mínimo por volta de 2025 quando começará a subir. 

Este é um momento auspicioso que os governos e empresários mais lúcidos e empreendedores deveriam aproveitar para promover maior crescimento econômico e aumentar o número de empregos e gerar renda para proporcionar melhor assistência a crianças e idosos. 

O IBGE (Instituto Brasileiro Geografia e Estatística) prevê que por volta de 2050 a população idosa mas ainda considerada ativa atingirá 49% da população enquanto que o número de crianças e jovens cairá de 50% para 29%. 

No caso do Brasil, infelizmente, a grande crise moral, política e econômica que se abate sobre nós não permitiu que pudéssemos tirar alguma vantagem do bônus demográfico e nosso País corre o risco de empobrecer mais ainda lembrando que a famosa classe C que representava, uma das grandes benfeitorias feitas pelo governo Dilma desabou para o D e E. 

Dados apresentados por pessoas sempre bem informadas afirmam que o País já conta com mais de 70 milhões de pessoas pobres além dos 10 milhões de miseráveis.

É bom saber que agora, a população do Brasil cresce  0,8%  ao ano com tendência  a se reduzir até atingir o chamado Zero Population Growth: crescimento demográfico zero. Alguns países europeus atingiram esse ponto há alguns anos e, para não terem declínio populacional adotaram a prática de oferecer certas regalias para os casais que tivessem mais filhos. 

Acontecerá a mesma coisa conosco? 

Recuando algumas décadas no tempo vamos ver que a situação era oposta. Em agosto de 1974 ocorreu em Bucarest (Romênia) a  Conferencia Mundial de População que reuniu delegados de 149 países  com a preocupação de estudar um meio de frear  o crescimento da população. 

Na época falava-se muito em “explosão demográfica” sobretudo nos países mais pobres e que apavorava os governantes, várias hipóteses foram levantadas e dera origem ao documento - Plano Mundial de Ação Sobre População- e os países deveriam trabalhar com base nesse plano que basicamente tratava-se de Planejamento Familiar e decidiu-se que os resultados seriam avaliados na próxima reunião marcada para acontecer em 1984 na Cidade do México o que de fato aconteceu sob os auspícios da ONU.

Uma conclusão importante foi o reconhecimento das relações entre população e desenvolvimento como fatores que se influenciam mutuamente e somente com um bem executado planejamento familiar o problema poderia ser resolvido. 

Acontece que nosso país era contrário ao planejamento familiar. Um pouco mais à frente e considerando que a população  crescia cerca de 3 milhões de pessoas por ano dificultando o atendimento de melhora do nível de vida, fez com que  o governo central mudasse de idéia e assim o planejamento familiar acabou se tornando matéria constitucional e a Constituição de 1988 estabelece que qualquer tipo de planejamento é de livre decisão do casal competindo ao Estado propiciar recursos educacionais e científicos para o exercício desse direito. 

Bem, tudo isto é coisa do passado. Como foi visto linhas atrás o Bônus Demográfico não foi aproveitado por causa da grande crise política moral e econômica que se abate sobre nosso sofrido País.

Marcos Alegre, professor emérito da Faculdade de Ciências e Tecnologia - FCT/Unesp e ex-diretor dessa  mesma instituição. Contato: maralegre@ig.com.br
Comentários
0 Comentários
0 comentários to “O Bônus Demográfico Desperdiçado”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Google+

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
20 a 27 de março

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida

Receitas do Vale

Receitas do Vale

Sites Oficiais


Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]