5 de setembro de 2016

Conto - "A Aposta"

,
Conto - "A Aposta"


Essa historia bem que poderia se chamar Miguelzinho e seu fuscão preto, mas eu optei por se chamar a aposta, porque o fusca ele vendeu, teve outros carros, mas a aposta jamais será esquecida.

Miguelzinho, que na verdade não se chama Miguel, esse apelido ele herdou do pai que tinha esse nome e os dois se pareciam muito, pelo menos no gênio ruim, a mesma cara emburrada, a mesma irritação por pouca coisa e a mesma mania de dobrar o dedo anelar e ficar mordendo quando se enervava.

Tudo começou na época que o Almir Rogério fazia sucesso com o fuscão preto e o Miguelzinho comprou um e saiu por ai todo poderoso, se achando e pegando todas as moçoilas namoradeiras. Junto com seu amigo Tim que também tinha um carro, não me lembro qual, saiam pela noite adentro azarando, dois verdadeiros "curva de rio".

Eles moravam no Jardim das Flâmulas, mas não saiam do bairro Santa Josi. Lá eles conheceram a Natalina, mais conhecida por Lina.

Lina era mulher vivida, com dois filhos e nenhum marido, e mais velha que o moço do fusca, mas ainda muito bonita e cheia de amor pra dar, e como dava!

Cada noite um bacana de carrão mais bacana ainda, passava por lá e levava Lina pro abate.

Miguelzinho se encantou com a beleza e a safadeza da moça e falou pro Tim, - Você quer apostar que eu vou ganhar essa morena? Eu, com essa porcaria de fusca, vou faturar essa gata e deixar esses grã-finos babacas na mão chupando o dedo.
E Tim, magrelão tranqueira que gostava de um mal feito topou na hora.

E lá foi o Casanova “made in Brazil” investir na nova presa, com sua conversinha malandra, cheia de borogodó, jogou um xaveco na sujeita e ela entrou no seu fuscão, criticou o cheiro de carro velho, mas no fundo gostou.

No outro dia entrou de novo, outra noite outra entrada e os Tiozãos das carangas chiques ficaram mesmo na mão.

Ai aconteceu o que o Miguelzinho não esperava, Lina engravidou da Paulina, ai então todo mundo falava, essa filha não e sua, porque a Lina já vinha soltando a franga faz tempo, mesmo buxuda ela não dava mole, dava tudo e não parou até hoje, depois veio outro rebento e ela continuou rebentando a boca do balão.

Hoje em dia Lina já não é tão bonita, aliás, ta feia pra burro, mas se bobear ainda da umas “puladinhas de cerca”, ainda queima o fogo da sem-vergonhice.

Miguelzinho já se conformou e ainda estão juntos apesar de tudo.

Outro dia eu me encontrei com o Tim e ele me perguntou por onde andava o Miguelzinho, porque ele precisava pagar uma aposta que o lobo mau do fuscão preto tinha ganho.
             valdirfachini53@gmail.com
Comentários
0 Comentários
0 comentários to “Conto - "A Aposta"”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Google+

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
22 a 29 de maio

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida

Receitas do Vale

Receitas do Vale

Sites Oficiais


Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]