5 de julho de 2016

O relativo fracasso da FLIP

,
O relativo fracasso da FLIP


Sérgio Mauro

Sempre desconfiei de feiras literárias. O próprio termo feira, na minha memória pessoal, sempre esteve associado ao caos, a vozes confusas que vendem frutas ou peixes, doces ou verduras. No caso da feira literária de Parati de 2016, os produtos expostos e presumivelmente à venda eram livros, mas a confusão, a julgar pelas notícias dos jornais, foi semelhante a das feiras paulistanas da minha infância.

Realmente deve ter sido constrangedor o debate com o escritor sírio, vaiado por se recusar a discutir a guerra civil em seu país, mas ainda mais inconveniente foi o protesto contra Temer (ou contra o impeachment de Dilma?) do escritor João Paulo Cuenca. Não cabiam numa feira literária as vaias contra o escritor, tampouco o protesto político totalmente fora de contexto de João Paulo.

Tanto as vaias como o protesto político descontextualizado vão de encontro ao que deveria ser uma saudável discussão literária. Quem vaiou o escritor sírio demonstrou intolerância, pois me parece justamente que Abu Said preferiria ter discutido aspectos da sua obra a ter de debater uma situação conflituosa que ele e seu povo vivenciam na pele. O seu desabafo, portanto, soou compreensível e chamou a atenção para o desnorteamento que deve ter perpassado por boa parte dos debates literários da Flip. Os discursos contra o atual governo (mesmo que a leitura de Lima Barreto pudesse eventualmente remeter para os males que afligem o Brasil e, eventualmente, para uma situação semelhante a que estamos experimentando) extrapolaram os limites de uma exposição de livros e ideias literárias. Foi democrático à medida que, dentro dos limites de convivência civilizada, cada cidadão pode exprimir em voz alta e publicamente a sua própria opinião política, mas soou forçado e incompreensível, pois pretendia contar com a unanimidade dos presentes à feira no que diz respeito ao apoio à ex-presidente, ou, na melhor das hipóteses, demonstrar que o texto de Lima Barreto poderia, suponhamos, alicerçar a tese de golpismo defendida por parte dos literatos brasileiros atualmente. Se assim fosse, então alguém deveria ter lido em seguida algumas crônicas ou passagens de romances e contos machadianos, para demonstrar uma tese contrária.

Em Os limites da interpretação, Umberto Eco, com a clareza e a argúcia que lhe eram peculiares, alertou sobre o perigo de querer a todo custo enxergar na obra literária aquilo que lá não está, partindo de uma crença religiosa ou de uma convicção ideológica pré-concebida. Talvez não tenha sido essa a intenção dos que demonstraram, de maneiras pouco condizentes com o saudável debate público, desacordo com o posicionamento do escritor sírio, ou do escritor que se aproveitou da leitura de Lima Barreto para expressar o seu descontentamento com o governo provisório de Michel Temer, mas é triste constatar que tais atitudes vêm se repetindo com certa constância nos meios acadêmicos e literários. Há os que literalmente se apoderam de um escritor ou de uma corrente literária para demonstração, por exemplo, da suposta misoginia ou da homofobia de escritores clássicos, ou do reacionarismo e do conservadorismo retrógrado de “monstros” da literatura, brasileira ou não.

Lembro-me de um professor de literatura brasileira da minha adolescência que chegou a definir Machado de Assis como “carreirista”, lambe-botas de Dom Pedro II e por aí afora. Tal professor, naturalmente, nutria grande admiração por Lima Barreto, estabelecendo uma contraposição que, já na época, pareceu-me forçada e inadequada. Este tipo de colocação não somente deveria passar longe de qualquer ambiente que queira discutir seriamente literatura, com também denota ausência total de observação crítica.

Tais instrumentalizações de escritores e períodos literários, se não me engano, surgiram nos Estados Unidos, principalmente a partir dos anos 70. Se na sociedade americana, muito diferente da nossa no que diz respeito ao modo como concebe um debate intelectual público, tal modismo já é bastante pernicioso e prejudicial para a discussão literária séria, é de se supor que no Brasil, ainda imaturo, política e culturalmente, os estragos produzidos possam ser ainda maiores. Espero que a próxima Flip ou outras feiras literárias semelhantes voltem a discutir a universalidade e a profundidade dos grandes escritores, e que as instrumentalizações políticas fora de contexto procurem outros espaços mais adequados para as suas exteriorizações.

Comentários
0 Comentários
0 comentários to “O relativo fracasso da FLIP”

Postar um comentário


Seu comentário é sempre bem vindo!

Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

Comentário Anônimo, sem nome e email , não será publicado.

Se quiser fazer contato por email, utilize o Formulário para contato

Espero que tenha gostado do Site e que volte sempre!

addthis

Contato (13) 3821-6148

Manutenção de celulares - Técnico de Informática

20 Mega de Internet

20 Mega de Internet na Infovale

Empregos no Japão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Google+

Site Registro-SP

Site Registro-SP
Cotação da Banana
Cotação da Banana
22 a 29 de maio

WhatsApp do Site

WhatsApp do Site
Autor
Facebook
Recomende-nos no Google

APP Notícias do Site

APP Notícias do Site

TV Ilha Comprida

TV Ilha Comprida

Receitas do Vale

Receitas do Vale

Sites Oficiais


Eventos Acer (RBBC)

Eventos Acer (RBBC)

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

Quadrinhos Registro da Colônia Japonesa

O Vale do Ribeira Copyright © 2011 | Design by: [ Camilo Aparecido Almeida ] | Movido a: [ Blogger ]